Madonna anuncia dois concertos extra em Lisboa

Os bilhetes para os concertos de Madonna no Coliseu de Lisboa, que custavam entre 75 e 400 euros, foram postos à venda na manhã de sábado e esgotaram rapidamente.

Depois de esgotar quatro concertos para o Coliseu de Lisboa em menos de um dia, Madonna anuncia dois espetáculos extra para os dias 22 e 23 de janeiro do próximo ano.

"Face à enorme demanda, Madonna acaba de confirmar mais duas datas extra, que terão lugar na mesma sala, nos dias 22 e 23 de janeiro de 2020. Os bilhetes para os dois espetáculos serão colocados à venda esta próxima sexta-feira, dia 31 de maio, a partir das 10.00", informa a Everything is New em comunicado.

Segundo a produtora, os bilhetes para os dias 16, 18 e 19 de janeiro, no Coliseu de Lisboa, esgotaram "em apenas 30 minutos". Posteriormente, foram colocadas à venda as entradas para a quarta atuação, que esgotaram "igualmente em pouco tempo, continuando a verificar-se uma gigante procura".

Perante tanta procura, a cantora norte-americana confirmou mais duas datas para o mesmo local.

De acordo com a Everything is New, os membros mais antigos do Clube de fãs de Madonna, Icon, poderão comprar os bilhetes em avanço. A pré-venda realiza-se no dia 29 de maio, quarta-feira, a partir das 10.00, prolongando-se até quinta-feira, dia 30 até às 17.00.

A digressão Madame X começa no dia 12 de setembro deste ano no BAM Howard Gilman Opera House em Nova Iorque e passa por cidades como Chicago, Los Angeles, Las Vegas e Boston, antes de chegar a Lisboa no início de 2020.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.