Netflix vence em Veneza: Leão de Ouro para "Roma"

O filme "Roma", do mexicano Alfonso Cuáron, produzido pela Netflix, arrebatou o Leão de Ouro do Festival de Veneza.

Todos os cinéfilos seguiram (e seguem) com especial interesse e ansiedade o conflito entre o Festival de Cannes e a Netflix. Ou seja: porque a plataforma digital não correspondeu à exigência de colocar os seus filmes nos circuitos tradicionais das salas, a Netflix abandonou Cannes.

Foi em maio. Cerca de quatro meses depois, a Netflix não só foi uma das entidades em destaque na programação do Festival de Veneza como acabou por se distinguir de forma eloquente: hoje, ao fim da tarde, o júri oficial presidido por Guillermo del Toro anunciou a atribuição do Leão de Ouro ao filme Roma, do mexicano Alfonso Cuáron, precisamente uma produção com chancela Netflix.

Será que, depois desta distinção no mais antigo certame de cinema do mundo, Roma acabará por ser colocado nos circuitos das salas? Poderá isso acontecer em alguns países, não noutros? Como iremos ver (ou não ver) o filme de Cuáron em Portugal?

Eis algumas interrogações tanto mais pertinentes quanto, como é óbvio, o caso específico deste filme é apenas um sintoma de uma problemática muito mais geral. Em jogo estão os valores culturais e as estruturas económicas das formas de difusão dos objetos cinematográficos. Ou ainda: para o melhor ou para o pior, a chamada idade digital está a transfigurar a nossa própria condição de espectadores.

Segundo os ecos que chegam do Lido, Cuáron evoca a vida da sua família, na década de 1970, no bairro de Roma, na cidade do México. Ainda com produção da Netflix, a nova realização dos irmãos Coen, The Ballad of Buster Scruggs, recebeu o prémio de melhor argumento. O Grande Prémio do Júri, o segundo na hierarquia do palmarés, pertenceu a The Favourite, do grego Yorgos Lanthimos.

Eis o palmarés da 75ª edição do Festival de Veneza:

* Leão de Ouro: ROMA, de Alfonso Cuáron (México)

* Grande Prémio do Júri: THE FAVOURITE, de Yorgos Lanthimos (Grécia)

* Prémio Especial do Júri: THE NIGHTINGALE, de Jennifer Kent (Austrália)

* Melhor realizador: Jacques Audiard (França), por THE SISTERS BROTHERS

* Melhor actor: Willem Dafoe em AT ETERNITY"S GATE, de Julian Schnabel (EUA)

* Melhor actriz: Olivia Colman, em THE FAVOURITE

* Melhor argumento: Joel e Ethan Coen (EUA), por THE BALLAD OF BUSTER SCRUGGS

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.