Há um português na corrida aos Emmys

O motion designer Filipe Carvalho está nomeado na categoria de melhor genérico com a série de ficção científica "Counterpart"

A cerimónia de entrega dos Emmys acontece em setembro, com transmissão na NBC, e há a hipótese de ouvir o nome de um português entre os vencedores. O motion designer Filipe Carvalho é um dos nomeados na 70ª edição dos prémios que distinguem as produções televisivas norte-americanas.

O português está na corrida com o trabalho desenvolvido na série de ficção científica "Counterpart" na categoria de melhor genérico. "Bem não sei como dizer isto da melhor forma, por isso aqui vai: estou nomeado para um Emmy", revelou na rede social Facebook.

Este é o genérico da série, assinado pelo português, que mereceu a nomeação para a edição deste ano dos Emmys. Veja o vídeo:

A nomeação é já o reconhecimento pela carreira internacional do português, cujo trabalho pode ser visto nos genéricos de filmes como "Thor: o Mundo das Trevas", "O Fantástico Homem Aranha 2" e as séries "Guerra dos Tronos" e "Cosmos - A Spacetime Odyssey".

Começou como web designer, mas foi o trabalho como motion designer que o levou a conquistar o mercado internacional com a sua visão e arte. 2009 foi o ano que arriscou e tentou a sorte no mercado norte-americano ao enviar um e-mail para o estúdio Digital Kitchen - responsável por séries como "True Blood", "Sete Palmos de Terra". A partir desse momento nunca mais parou. O trabalho deste português para séries e filmes norte-americanos pode ser visto, também, através do site http://randomthoughtpattern.com/

O estilo do português que mistura "fotografia, tipografia e cinema", como descreveu em entrevista ao Dinheiro Vivo , em 2015, chama a atenção aos estúdios norte-americanos que o levaram a trabalhar com a HBO, Fox ou Marvel.

"O que faço é criar um conceito visual. Tento arranjar as imagens para o genérico, ou o que eu acho que deve ser o genérico, que depois é construído a partir delas", explicou em declarações ao Público.

Filipe Carvalho tem partilhado a sua visão e trabalho não só no pequeno ecrã e na Sétima Arte, mas também em várias conferências de festivais de criativos como o OFF de Barcelona, em 2015, e o de Milão, em 2018, e o FITC, em Amesterdão, em 2016.

A gala da 70.ª edição dos Emmys acontece a 17 de setembro, mas a cerimónia de entrega dos prémios técnicos realiza-se nos dias 8 e 9 do mesmo mês. E Filipe Carvalho vai lá estar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.