Homenagens de Stevie Wonder, Ariana Grande e outras estrelas da música no adeus a Aretha Franklin

Uma semana de homenagens à "Rainha da Soul", Aretha Franklin, tem hoje o seu auge, com atuações de artistas como Ariana Grande e Stevie Wonder no funeral da cantora que morreu no dia 16 de agosto.

A cerimónia fúnebre começa às 10:00 locais (15:00 em Lisboa) no Greater Grace Temple, em Detroit, e tem previstas atuações 19 artistas, segundo o jornal Detroit Free Press:

Pelo palco vão passar Stevie Wonder, Faith Hill, Ariana Grande, Ronald Isley, Chaka Khan, Fantasia, Jennifer Hudson, Yolanda Adams, Shirley Caesar, the Clark Sisters, Jennifer Holliday, Tasha Cobbs-Leonard, Marvin Sapp, the Williams Brothers, Vanessa Bell Armstrong, Audrey DuBois Harris, Alice McAllister Tillman, Edward Franklin, Aretha Franklin Orchestra e the Aretha Franklin Celebration Choir, segundo o jornal de Detroit.

Segundo a Rolling Stone, a lista de oradores inclui o antigo presidente dos Estados Unidos Bill Clinton, o cantor Smokey Robinson, a atriz Cicely Tyson, o editor Clive Davis, o governador do Michigan, Rick Snyder, o presidente da câmara de Detroit Mike Duggan, o reverendo Jesse Jackson e o antigo procurador-geral Eric Holder.

Ao longo da semana, centenas de admiradores fizeram filas no Museu de História Afro-Americana Charles H. Wright, em Detroit, onde teve lugar o velório de Aretha Franklin.

Aretha Franklin, que morreu este mês aos 76 anos, teve uma vida preenchida por êxitos musicais, a o momento em que pegou na canção Respect de Otis Redding e a transformou em algo diferente. Chamaram-lhe a rainha da soul.

Em 1985, tornou-se famoso o verso "We goin' ridin' on the freeway of love in my my pink Cadillac" da canção Freeway of Love. Recordando-o dezenas de Cadillacs cor-de-rosas terão lugar especial nas cerimónias de adeus a Aretha Franklin. Trata-se de mais do que um tributo a uma canção. A ideia inspira-se na forma como os polícias alinham os seus carros em honra dos agentes que morrem, segundo a organizadora, Crisette Ellis. Mais de 130 vão participar.

Ao todo, Aretha Franklin venceu 18 Grammys e vendeu mais de 75 milhões de discos ao longo da sua carreira. Foi a primeira mulher a entrar para o Rock and Roll Hall of Fame, em 1987.

Aretha Louise Franklin nasceu em 25 de março de 1942 em Memphis, no Estado norte-americano do Tennessee - onde esteve sediada a editora Stax, que editou Otis Redding -, mas cresceu em Detroit, a outra principal cidade do soul norte-americano e lar da editora Motown. Filha do reverendo C.L. Franklin, viu o pai marchar com Martin Luther King e cantou, em 1968, no funeral deste último.

Com múltiplas canções nas listas das mais vendidas e ouvidas, incluindo no começo do século XXI, Aretha Franklin cantou pelo mundo fora e nas tomadas de posse dos presidentes Bill Clinton e Barack Obama, tendo sido condecorada pelo outro ocupante do cargo entre os dois democratas, George W. Bush.

Aretha Franklin teve quatro filhos e, em 2017, anunciou que se ia retirar do mundo da música para dedicar mais tempo aos netos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Tempo de fugir de casa para regressar à terra

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.