Cinco canções que se tornaram inesquecíveis na voz de Aretha Franklin

A cantora norte-americana nasceu em 1942 e é conhecida como a "rainha da soul".

1 - I Say a Little Prayer (1968)

A canção foi originalmente cantada por Dionne Warwick, mas a interpretação de Aretha, com o coro The Sweet Inspirations, levou a composição de Burt Bacharach e Hal David para um outro patamar:

2 - Respect (1967)

Respect é um tema de Otis Redding, de 1965, mas acabou por se tornar uma das canções icónicas de Aretha Franklin - com ligeiras alterações na letra, ela tornou este tema um dos hinos do movimento feminista. Com esta versão, a cantora canhou dois prémios Grammy. A sua gravação integrou em 2002 a coleção da Biblioteca do Congresso.

3 - I Never Loved a Man (The Way I Loved You) (1967)

Esta foi originalmente interpretada por Aretha Franklin no álbum com o mesmo nome. E com a particularidade de ela também tocar piano.

4 - Think (1968)

Mais um hino feminista, com letra da própria Aretha com a colaboração do marido, Ted White. Em 1980, a cantora gravou uma versão para o filme The Blues Brothers.

5 - (You Make Me Feel Like) A Natural Woman (1967)

Composta pela dupla Carole King e Gerry Goffin, este é um daqueles temas que se tornaram clássicos. Ganhou muitas versões ao longo dos anos, como por exemplo as de Mary J. Blige ou Celine Dion.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.