Filme-acontecimento de Cannes na reabertura da Cinemateca

A nova temporada da Cinemateca arranca com "O Livro de Imagem", de Jean-Luc Godard, Palma de Ouro especial no último Festival de Cannes

A Cinemateca Portuguesa está a comemorar 70 anos - e merece todo o nosso apoio, admiração e carinho. Num tempo dominado pela mercantilização galopante do cinema (leia-se: o poder dos "blockbusters") e pela formatação das narrativas audiovisuais (leia-se: o império da telenovela), a instituição da rua Barata Salgueiro, em Lisboa, continua a desenvolver um trabalho militante de conservação do património cinematográfico e de divulgação do cinema de todas as épocas.

Depois da tradicional interrupção da programação durante o mês de Agosto, o mês de Setembro propõe uma sedutora pluralidade, com inevitável destaque para dois ciclos: uma evocação de Rita Hayworth, uma das divas clássicas de Hollywood, assinalando o centenário do seu nascimento; e uma retrospectiva de Jean-Marie Straub e Danièle Huillet, criadores essenciais de um cinema visceralmente moderno, sempre em íntima ligação com o valor primordial da palavra e da escrita.

Em qualquer caso, o primeiro grande destaque vai para a "sessão especial de reabertura" (sábado, dia 1, 21h30) com O Livro de Imagem, de Jean-Luc Godard. Vale a pena recordar que foi, não exactamente "um" acontecimento do último Festival de Cannes, mas sim "o" acontecimento - de tal modo que o júri, presidido por Cate Blanchett, decidiu atribuir-lhe uma Palma de Ouro especial.

O Livro de Imagem pode resumir-se através de um fascinante paradoxo: por um lado, relança alguns dos temas obsessivos de Godard nas últimas décadas, incluindo a terrível herança histórica (e cinematográfica) do Holocausto e a necessidade de reflectirmos sobre as linguagens que usamos para descrever e pensar o mundo à nossa volta; por outro lado, funciona como uma deambulação eminentemente pessoal, porventura confessional, conduzida pela voz cansada, mas sempre precisa, do próprio Godard.

Sendo ele o cineasta desse projecto monumental que é História(s) do Cinema (1988-1998), é com inevitável ironia que relembramos o facto de a defesa do cinema, em Godard, passar pela integração do vídeo e a reinvenção de alguns mecanismos da linguagem televisiva. Nesta perspectiva, talvez se possa dizer que O Livro de Imagem se organiza como um telejornal intimista em que as imagens e os sons servem, em última instância, para colocar duas perguntas - a primeira sobre se ainda sentimos alguma felicidade, a segunda indagando a esperança que cultivamos.

* O Livro de Imagem está adquirido para o mercado português pela distribuidora Midas Filmes, tendo estreia prevista para o mês de Outubro.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.