Paralisia de mão direita de da Vinci pode ter sido causada por desmaio

Um novo estudo afirma que a paralisia da mão direita, que afetou o artista Leonardo da Vinci nos últimos anos de vida, se pode ter devido a uma síncope e não a um acidente vascular.

Uma análise feita pelos médicos Davide Lazzeri e Carlo Rossi publicada este sábado na revista académica da Real Sociedade de Medicina britânica, avança a hipótese de, ao contrário do que tem sido estabelecido por repetidos estudos ao longo de anos, Leonardo da Vinci (1452-1519), ter sofrido um desmaio, que levou a um impacto suficiente para lhe causar a limitação da mão direita.

"Análises da biografia e de dois desenhos de da Vinci parecem confirmar que ele sofreu uma doença na sua carreira tardia, que afetou a sua capacidade para segurar paletas e pincéis para pintar com a sua mão direita, apesar de não ter afetado a sua capacidade para desenhar com a mão esquerda", pode ler-se nas conclusões do artigo.

Os autores do texto, médicos em Roma e Pontedera, em Itália, recordam que a paralisia da mão direita de da Vinci não esteve associada a uma perda de capacidade cognitiva, "o que pode explicar porque é que ele deixou numerosos quadros incompletos, incluindo a 'Mona Lisa', durante os últimos anos da sua carreira como pintor, enquanto continuou a ensinar e a desenhar".

Os autores socorrem-se dos escritos do assistente pessoal do cardeal italiano Luigi d'Aragona, Antonio de Beatis, para justificar a sua teoria de que da Vinci não terá sofrido um acidente vascular. Defendem antes que "o impedimento da sua mão direita estaria provavelmente ligado a uma neuropatia ulnar pós-traumática e não a um acidente vascular, mesmo que um acontecimento cardiovascular possa ter estado na origem da sua morte".

Em 1517, de Beatis visitou Leonardo da Vinci e, na sequência desse encontro, escreveu que já não se poderia esperar "bom trabalho dele, uma vez que uma certa paralisia limitou a sua mão direita", mas ressalvou que, apesar de não poder pintar "com a doçura que lhe era peculiar, ainda pode desenhar e instruir outros". "Não há informação sobre uma eventual paralisia facial que frequentemente ocorre após um acidente vascular", realçam os autores do texto.

Os investigadores analisaram uma gravura de 1505, do artista renascentista Marcantonio Raimondi, que mostra um homem tocando um instrumento semelhante a um violino - esse homem é Da Vionci e a imagem sufere que naquela altura ele conseguia usar ambas as mãos com destreza. E ainda um retrato de Leonardo, do século XVI, quando ele já era mais velho, de autoria de Giovan Ambrogio Figino, que mostra a mão direita do artista numa posição contraída.

Nascido em 15 de abril de 1452, perto de Vinci, na então República de Florença, Leonardo da Vinci morreu no dia 02 de maio de 1519 em Cloux, França, para onde se mudou três anos antes, a convite do rei François I. Autor de alguns dos quadros mais icónicos da arte mundial, da Vinci está este ano no centro de múltiplas comemorações a nível internacional, por se assinalarem os 500 anos da sua morte.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.