Conan Osíris "tem tudo para ganhar" a Eurovisão - Salvador Sobral

O músico Salvador Sobral, o primeiro a dar uma vitória a Portugal no Festival Eurovisão da Canção, em 2017, considera que o representante nacional deste ano, Conan Osíris, "tem tudo para ganhar" o concurso.

"Acho que ele tem tudo para ganhar aquilo [o Festival Eurovisão da Canção], porque é impactante, é diferente, é estranho, e é o que as pessoas gostam naquilo. Aquilo é um espetáculo de entretenimento e é entretenimento puro", afirmou Salvador Sobral em declarações à Lusa, reforçando: "É chocante, tem tudo para ganhar".

Para o músico, que venceu em 2017 o concurso com "Amar pelos dois", tema composto por Luísa Sobral, "não é sobre a canção, aquilo não é bem sobre a canção".

Conan Osíris venceu a edição deste ano do Festival da Canção, tendo, na final, sido o preferido do público e do júri, com o tema "Telemóveis", que interpretou e compôs.

Para Salvador Sobral, Conan Osíris "tem o mérito todo", visto que "escreve as letras, escreve as músicas". "Não é o que eu oiço no dia a dia, não é o meu estilo, mas ele se calhar também não compra a minha música, não vai ouvir a minha música, não lhe apetece", afirmou.

A vitória da Eurovisão em 2017 teve um impacto grande na carreira e na vida de Salvador Sobral que, de um momento para o outro, passou a ter mais concertos agendados, tanto em Portugal como no estrangeiro, muitos dos quais com lotação esgotada.

Ele e a irmã, Luísa Sobral, foram recebidos por milhares de pessoas no aeroporto de Lisboa, após a vitória em Kiev. Depois disso, Salvador e Luísa Sobral foram distinguidos com o Prémio Personalidade do Ano 2017, atribuído pela Associação da Imprensa Estrangeira em Portugal (AIEP), e condecorados pelo Presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa, com o grau de comendadores da Ordem do Mérito.

Ainda em 2017, o músico foi um dos distinguidos pelos European Border Breakers Awards (EBBA), um prémio para artistas emergentes com sucesso na Europa.

Além disso, a vida pessoal do músico foi alvo de atenção da chamada 'imprensa cor-de-rosa'.

Quando questionado pela Lusa sobre se teria uma secreta esperança que Conan Osíris vença o Festival Eurovisão da Canção para que as atenções deixem de estar concentradas em si, respondeu: "Por acaso não sei bem como me sinto em relação a isso".

"Às vezes sinto isso, que se ele ganhasse tirava já o peso. Mas depois há o 'ai assim vou ficar sem ser o único', afinal todos somos um bocadinho narcisistas no fim do dia. Se calhar também tenho esse lado, por isso não sei bem", partilhou.

Salvador Sobral defende que se Conan Osíris "quiser ganhar, então que ganhe". "Força", desejou. "Se ele não quiser ganhar é melhor não, mas acho que ele deve querer", afirmou.

O Festival Eurovisão da Canção decorre em maio, em Telavive, Israel, depois de o país ter vencido o concurso do ano passado, em Lisboa, com a música "Toy", interpretada por Neta.

Este ano, 41 países disputam o concurso. O representante de Portugal atua na primeira semifinal, marcada para 14 de maio. A segunda final decorre a 16 de maio e a final está marcada para dia 18 do mesmo mês.

O Comité de Solidariedade com a Palestina, o SOS Racismo e as Panteras Rosa apelaram a Conan Osíris para não ir a Telavive representar Portugal, em solidariedade com artistas palestinianos.

Numa carta enviada ao músico, aquelas organizações referem que "a escassos minutos de onde terá lugar o festival, Israel mantém um cerco ilegal a 1,8 milhões de palestinianos em Gaza, negando-lhes os direitos mais básicos." Além disso, "também a escassos minutos de Telavive, 2,7 milhões de palestinianos da Cisjordânia vivem aprisionados por um muro de apartheid ilegal", escreveram na missiva.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.