É oficial: o Egas e o Becas são um casal

Criador das personagens assume que sempre as encarou como namorados que, em certa medida, eram inspirados na sua própria relação

O segredo mais bem guardado da Rua Sésamo foi finalmente revelado: Egas e Becas, a famosa dupla de fantoches das produções Jim Henson, são um casal. A confirmação foi feita à revista Queerty pelo criador das personagens, o argumentista vencedor de vários Emmy Mark Saltzman.

Egas (aliás: Ernie), o baixinho gorducho, e Becas (Bert), o alto magrinho, inquilinos do apartamento da cave no número 123 da Rua Sésamo, fizeram a sua estreia em 1969, na série infantil criada pelo famoso autor dos Marretas, Jim Henson. De resto, o próprio Henson operou a personagem de Egas até perto da sua morte, em 1990.

Agora, numa entrevista onde falou da sua própria "saída do armário", nos anos 1980, Mark Saltzman confirmou aquilo de que já muitos fãs suspeitavam: Egas e Becas não eram apenas amigos.

"Lembro-me de ter lido uma vez, numa coluna do [jornal] San Francisco Chronicle , que um míudo do pré-escolar da cidade tinha perguntado à sua mãe: 'O Egas e o Becas são namorados'? E isso, vindo de um miúdo dessa idade, teve graça", contou Saltzman. "Aquilo circulou, toda a gente se riu e voltou à sua vida, mas eu sempre senti que, sem uma grande agenda, quando estava a escrever sobre o Becas e o Egas eles eram de facto [um casal]. Não tinha outra forma de o contextualizar".

"Além disso", acrescentou, as duas personagens eram em muito inspiradas no próprio autor e no seu namorado. "Mais do que uma pessoa se referia ao Arne e a mim como o Bert e o Arnie".

Arnie - Arnold Glassman - foi um editor de imagem muito conhecido, que trabalhou também na Rua Sésamo, e foi companheiro de Saltzman durante 20 anos, até à sua morte em 2003.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?