DC Comics cancela banda desenhada que tinha Jesus Cristo como super-herói

Grupo religioso lançou petição contra BD de conteúdo "inapropriado e blasfemo". Autores querem publicar a história noutra editora.

A DC Comics cancelou a série Second Coming, que tinha como protagonista Jesus Cristo, antes mesmo de publicar o primeiro número, que deveria estar à venda a 6 de março. Escrita por Mark Russell e ilustrada por Richard Pace, a série seria publicada pela Vertigo, selo da conceituada editora norte-americana de BD, e teria como ponto de partida uma segunda vida de Cristo, que regressa à Terra para ficar horrorizado com o modo como os seus ensinamentos foram destorcidos e como, afinal, as pessoas idolatram um super-heróis chamado Sun-Man em vez de adorarem o verdadeiro Messias.

A equipa criativa já estava a trabalhar na história há alguns meses mas só em dezembro passado começaram a sair algumas notícias sobre o assunto e no início do ano a Fox News fez uma notícia que teve imenso impacto. Imediatamente, o grupo religioso de extrema-direita Hazte Oír protestou contra a publicação de conteúdo "inapropriado e blasfemo" e lançou uma petição, que recolheu cerca de 230 mil assinaturas, exigindo o seu cancelamento. O que acabou por acontecer.

No Twitter, Mark Russell explica que a decisão de cancelar Second Coming foi sua. A história "irá ser lançada mas com outra editora", garante. E acrescenta: "O meu objetivo é sempre escrever os melhores livros que conseguir sobre assuntos que me interessam. Os editores têm os seus próprios objetivos. Às vezes, os nossos objetivos complementam-se, outras vezes não. É bom admiti-lo quando isso acontece e seguir em frente em caminhos separados."

Em entrevista à Syfy, Mark Russell explica que a DC Comics começou por adiar a data de publicação e depois pediu-lhe pequenas alterações à história. Mas ele percebeu que mais alterações iriam ser pedidas num futuro próximo. Embora não tenha a certeza que estas alterações estejam relacionadas com a petição, a verdade é que achou estranho que elas surgisse meses depois de a série estar a ser trabalhada e de as suas propostas terem sido elogiadas em várias reuniões. "Então, eu decidi que preferia manter a história intacta e permanecer fiel à versão original", diz.

Russell e Richard Pace pediram à DC Comics para ficarem com os direitos da obra e estão agora à procura de outra editora, mais pequena, mas que respeite as suas ideias. Os autores esperam poder anunciar mais novidades em breve.

No entanto, o grupo de cidadãos que lançou a petição acredita que a BD nunca verá a luz do dia: "Esta foi a decisão certa por parte da DC Comics", disse Gregory Mertz à Syfy. "Continuaremos a lutar contra o lançamento destes livros se forem para outra editora. Jesus não é apenas um super-herói. Os assinantes desta petição acreditam que Jesus é real. A vida de Jesus tem uma mensagem especial de esperança e redenção, e esta BD fazia um retrato falso do nosso Salvador."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.