Começa o Alive. Quem quer ver Arctic Monkeys... e Nine Inch Nails?

O festival do Passeio Marítimo de Algés começa esta quinta-feira e os Arctic Monkeys são os mais esperados. Entradas estão esgotadas.

No primeiro dia da edição mais verde de sempre do Nos Alive, graças à relva artificial que pavimenta o recinto, os Arctic Monkeys são a banda mais esperada. As portas abriram às 15.00 com os suspeitos do costume: aqueles que correm para a primeira fila e ficam nas reportagens da televisão, Álvaro Covões, que organiza, e o presidente da câmara municipal de Oeiras. Que volta este ano a ser Isaltino Morais, como em 2007, o ano da primeira edição do festival.

Os bilhetes para os três dias do festival estão esgotados e são esperadas 50 mil pessoas por dia neste espaço junto ao rio Tejo. Esta quinta-feira, as atenções viravam-se para a banda britânica. Quem os quer ver?

1. O grupo de amigos

Quatro são amigos, um chama-se a si mesmo de "infiltrado". Tão infiltrado que prefere ficar no telemóvel enquanto os amigos jogam às cartas. Estão a matar tempo enquanto esperam pela banda preferida, os Arctic Monkeys. Entraram apressados, dos primeiros, para conseguir bom lugar no concerto e tinham pela frente quase oito horas de espera. O que fazer? "Conviver, falar e esperar", diz Diana Ramos. Aproveitar para espreitar Snow Patrol e Brian Ferry. Têm entre 18 e 19 anos e vieram do Porto e só vão estar um dia no festival. "Porque somos pobres". É outra vez o "infiltrado", João Freitas, a falar. Os amigos riem-se e a sueca continua.

2. De Inglaterra, com a toalha de piquenique

A toalha de piquenique às riscas chama a atenção, estendida junto ao palco principal. Eles, louros, de óculos escuros e com os narizes corados do sol, também. Vieram de Oxford e compraram os bilhetes no início do ano depois de ouvir um anúncio ao festival. "Arctic Monkeys? Nunca vimos. Vamos!" Compraram os bilhetes para o festival e passagem para Lisboa, uma cidade que não conheciam. Fazem parte daquele lote de pessoas que não conseguiram adquirir bilhetes para mais do que um dia. Sábado, dia em que tocam os Pearl Jam foi o primeiro a esgotar, há três meses foram os passes de três dias.

3. Os que vêm sempre

"Os bilhetes esgotam cada vez mais cedo", diz Daniela Santos, 33 anos. Vem todos os anos desde que há Alive, ou seja, desde 2007. "É o melhor festival do mundo". Nos últimos anos, sempre com a mesma companhia, um colega de trabalho, Jorge. Compram passes para os três dias antes mesmo de conhecerem o cartaz. "Confiamos", diz Jorge, 37. "Há sempre essa competição Rock in Rio/ Alive, mas acaba por ganhar o Alive". Daniela acrescenta: "Há sempre diferentes estilos, o que é bom para quem gosta de música". Como ela que só esta quinta-feira queria ver Arctic Monkeys, Snow Patrol, Miguel Araújo e Khalid. No hospital onde ambos são enfermeiros já sabem. Estes dias de julho são de férias. E já podem marcar a próxima edição na agenda. É a 11, 12 e 13 de julho de 2019.

4. Em família

Sofia, 24 anos, e Joana, 19, são irmãs, da Figueira da Foz, e vieram com os primos. Para a mais nova, esta quinta-feira foi de estreia. Um dia apenas e dois concertos na mente: Khalid e Arctic Monkeys. A duas horas dos primeiros concertos, queriam começar por fazer "uma volta de reconhecimento". Só vieram hoje, "um dia bem escolhido", explicam.

5. Sozinho

A pulseira denuncia Cristiano Reis, 37 anos. Ele vem mais do que um dia ao Alive e conta ao DN que é um estreante. Brasileiro, a trabalhar em Tabuaço, um hotel, há um ano, veio sozinho ao Alive. "Assim é bom para conhecer mais gente", diz. Hoje e amanhã no Passeio Marítimo de Algés quer ver os cabeças de cartaz, mas também Snow Patrol. Lamenta não ter conseguido bilhete para sábado, dia 14, por causa dos Pearl Jam. Anunciada a banda, os bilhetes voaram.

6. Obrigado

À entrada do Alive há uma nova parede. Colorida. Cheia de mensagens. Ideal para selfies e fotografias como rapidamente descobriram os primeiros a passar os bilhetes (ou pulseiras) pelo controlo, como Madalena Grenhas, 18 anos, de Lisboa. O namorado, André Miguel, 19, diz que só acedeu porque "ela me obriga". Madalena ganhou dois bilhetes para o festival e quis vir no primeiro dos dias, porque é um fã de Arctic Monkeys. "Agora vamos explorar tudo o que há para explorar e tirar muitas fotografias", diz ela.

7. E pelos Nine Inch Nails

São menos, muitos menos, mas também se vêm: os fãs de Nine Inch Nails. "Já vimos uns quantos!" , diz Tiago Amorim ao lado da namorada. Cláudia Serra é que é a grande fã de NIN, como está nas t-shirts deles. "Queria ver antes dos 40 anos, que são daqui a pouco tempo e aconteceu. Foi um milagre", ri-se. "Assim que soubemos que vinham, comprámos o bilhete".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...