Canal HBO já está disponível em Portugal

A entrada em funcionamento do novo canal da HBO em Portugal é a primeira grande novidade do ano no streaming nacional. Já está disponível desde hoje e é apresentado amanhã pelo CEO da HBO Europa.

Estava tudo anunciado para amanhã, mas a HBO e a Vodafone acabam de anunciar que o novo serviço de streaming do canal já está disponível em hboportugal.com.

A HBO passa a ter em Portugal uma plataforma de video on demand que disponibiliza diretamente conteúdos premium aos subscritores. O serviço, informa a empresa, vai ser acessível através de "uma ampla gama de dispostivos como smartphones e tablets ou PC, LG TV, PlayStation 4, Android TV, Chromecast e Apple TV".

A empresa já estava a preparar a sua chegada desde 2015, mas só nos últimos meses se confirmaram as movimentações e contratações, sendo hoje revelado o projeto com a presença do CEO da HBO Europa, Hervé Payan, e do CEO da Vodafone, Mário Vaz. O evento conta também com a presença dos protagonistas de duas séries: Rodrigo Santoro e Stephen Dorff, respetivamente Westworld e True Detective.

A Vodafone Portugal é o operador exclusivo para a distribuição local e vai permitir aos clientes acederem ao serviço de streaming através dos pacotes Vodafone Tv.

Ou seja, os subscritores já têm à disposição mais de 4500 conteúdos, incluindo todas as temporadas das séries originais HBO consideradas "mais populares e aclamadas pela crítica". É o caso de A Guerra dos Tronos, True Detective, Westworld e Big Little Lies, ou os clássicos O Sexo e a Cidade, Os Sopranos, The Wire e Girls, para além de várias outras séries de outros estúdios como Patrick Melrose (Sky/ Showtime), A Discovery of Witches (Sky/Sundance TV), Krypton e Deadly Class (SyFy), Legacies, Roswell: New Mexico, All American e As Feiticeiras e Killing Eve.

Além desse serviço, informam, oferece uma ampla variedade de filmes, documentários e uma secção especial com conteúdos para crianças e famílias. A oferta da HBO Portugal incluirá ainda novos títulos, a estrear em simultâneo com os EUA. A programação pode ser consultada em https://hboportugal.com/

A subscrição terá um custo de 4,99 mas com um mês de experiência gratuito para todos os novos clientes. Também permitirá que os subscritores registem cinco dispositivos diferentes associados à sua assinatura, e assistam até duas transmissões em simultâneo, de todos os conteúdos dobrados e legendados, na mesma conta.

Um negócio secreto mas de milhões

Em Portugal, quase 6% da população tinha acesso às plataformas de streaming em 2017 e a chegada da HBO através da Vodafone volta a pôr sobre a mesa a questão dos números do setor do streaming em Portugal. Até ao momento o secretismo continua a ser total e nenhum dos grandes canais revela os investimentos e as receitas do negócio, nem mesmo a mais recente, a Eleven Sports Portugal, o fez.

Se a HBO é um serviço que está presente na maior parte do planeta, a sua dimensão não evita a grande concorrência da Netflix, que chegou a Portugal há poucos anos e já domina uma boa parte do mercado nacional, segundo dados da Marktest. Entre os canais mais recentes está também o já referido serviço de streaming da Eleven Sports, especializado principalmente em futebol, ou os conteúdos exclusivos do YouTube Premium em Portugal.

No entanto, o panorama destas empresas de streaming não é tão favorável como no início e o investimento nos últimos anos na produção de novas séries reflete a crise. Mesmo assim, os números apontam que o streaming representa 32% da produção de séries originais no mercado norte-americano. Em 2018, houve uma retoma em relação a 2017, sendo que quase 500 séries foram produzidas no mercado norte-americano por estas empresas.

Em decréscimo continua o número de horas que os espectadores gastam a ver os canais tradicionais de televisão. É o que se verifica em Inglaterra, onde a BBC, a ITV e o Channel 5 viram diminuídas, em muito, o número de horas a que os espectadores assistiam, designadamente na faixa etária dos 16 aos 34 anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.