Camané venceu Prémio Manuel Simões para Melhor Disco de Fado

Camané, com o disco Camané Canta Marceneiro, é o vencedor do Prémio Manuel Simões para Melhor Disco de Fado, revelou hoje à agência Lusa fonte da Fundação Manuel Simões.

Criado em março último pela Fundação que tem o nome do editor discográfico, no âmbito das comemorações do centenário deste, o galardão tem periodicidade anual e visa distinguir exclusivamente a melhor edição discográfica de fado do ano civil anterior ao da entrega do prémio, referia um comunicado da Fundação aquando da instituição do prémio.

Na ata, a que a agência Lusa teve acesso, o júri refere ter ponderado a "mestria interpretativa" de Camané, que "resgatou cuidadosamente um dos repertórios emblemáticos do fado", de um dos seus "mais carismáticos intérpretes" - Alfredo Marceneiro -, sem se deixar confundir ou seguir o modelo, mas antes recriando, propondo o seu próprio registo.

Para o júri, Camané fez uma "interpretação iluminada" de um dos repertórios matriciais do fado, numa "equação excelente com o acompanhamento instrumental".

O álbum "evidencia a faceta artesanal e de afetos, património indissociável do fado", e Camané, "figura absolutamente maior do panorama fadista", fá-lo "de uma forma natural, sem artifícios nem recursos exógenos, antes na suprema simplicidade fadista, da qual é mestre".

"Plena", é como o júri qualifica a interpretação de Camané no álbum em que recria o repertório de Marceneiro e no qual "se revelam todas as notas musicais, a emoção, a capacidade de encontrar a musicalidade das palavras e imprimir-lhe um cunho próprio, sem exageros, de forma contida, autêntica e inteira".

Sobre o CD editado em 2017, produzido com produção de José Mário Branco e edição da Warner Music, o júri reconhece ainda em Camané a "validação da tradição", sem que "tenha ficado preso a ela".

Ao revisitar o repertório do fadista que criou A Casa da Mariquinhas e ao ter convidado Carlos do Carmo para participar no CD - com quem canta A Lucinda Camareira -, Camané estabelece "uma linguagem artística", que se traduz na forma como as "sucessivas gerações passam o testemunho e contemporizam o fado, que é sempre novo".

Sem valor pecuniário, o prémio consiste numa estatueta e será entregue numa cerimónia que deverá realizar-se em outubro, acrescentou à Lusa fonte da Fundação.

O júri decidiu ainda destacar o mérito das edições discográficas Amália.Fados´67 e Amália. Coliseu 1987, ambos editados pela Valentim de Carvalho, assim como o álbum Recordar Ana Rosmaninho, com edição do Lagar da Música, por "resgatarem para a atualidade repertório essencial à tradição e à prática fadista".

Compunham o júri a fadista Julieta Estrela de Castro, a apresentadora de televisão Margarida Mercês de Mello, a responsável do Museu do Fado, Sara Pereira, o realizador de rádio Edgar Canelas e o jornalista Nuno Lopes.

A Fundação Manuel Simões foi instituída pelo empresário discográfico em dezembro de 2001. Nascido em Pedrógão Grande, Manuel Simões (1917-2008) foi empresário discográfico e fundou a editora Estoril, a Discoteca do Carmo, e a fundação a que deu o seu nome, em dezembro de 2001.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)