Camané venceu Prémio Manuel Simões para Melhor Disco de Fado

Camané, com o disco Camané Canta Marceneiro, é o vencedor do Prémio Manuel Simões para Melhor Disco de Fado, revelou hoje à agência Lusa fonte da Fundação Manuel Simões.

Criado em março último pela Fundação que tem o nome do editor discográfico, no âmbito das comemorações do centenário deste, o galardão tem periodicidade anual e visa distinguir exclusivamente a melhor edição discográfica de fado do ano civil anterior ao da entrega do prémio, referia um comunicado da Fundação aquando da instituição do prémio.

Na ata, a que a agência Lusa teve acesso, o júri refere ter ponderado a "mestria interpretativa" de Camané, que "resgatou cuidadosamente um dos repertórios emblemáticos do fado", de um dos seus "mais carismáticos intérpretes" - Alfredo Marceneiro -, sem se deixar confundir ou seguir o modelo, mas antes recriando, propondo o seu próprio registo.

Para o júri, Camané fez uma "interpretação iluminada" de um dos repertórios matriciais do fado, numa "equação excelente com o acompanhamento instrumental".

O álbum "evidencia a faceta artesanal e de afetos, património indissociável do fado", e Camané, "figura absolutamente maior do panorama fadista", fá-lo "de uma forma natural, sem artifícios nem recursos exógenos, antes na suprema simplicidade fadista, da qual é mestre".

"Plena", é como o júri qualifica a interpretação de Camané no álbum em que recria o repertório de Marceneiro e no qual "se revelam todas as notas musicais, a emoção, a capacidade de encontrar a musicalidade das palavras e imprimir-lhe um cunho próprio, sem exageros, de forma contida, autêntica e inteira".

Sobre o CD editado em 2017, produzido com produção de José Mário Branco e edição da Warner Music, o júri reconhece ainda em Camané a "validação da tradição", sem que "tenha ficado preso a ela".

Ao revisitar o repertório do fadista que criou A Casa da Mariquinhas e ao ter convidado Carlos do Carmo para participar no CD - com quem canta A Lucinda Camareira -, Camané estabelece "uma linguagem artística", que se traduz na forma como as "sucessivas gerações passam o testemunho e contemporizam o fado, que é sempre novo".

Sem valor pecuniário, o prémio consiste numa estatueta e será entregue numa cerimónia que deverá realizar-se em outubro, acrescentou à Lusa fonte da Fundação.

O júri decidiu ainda destacar o mérito das edições discográficas Amália.Fados´67 e Amália. Coliseu 1987, ambos editados pela Valentim de Carvalho, assim como o álbum Recordar Ana Rosmaninho, com edição do Lagar da Música, por "resgatarem para a atualidade repertório essencial à tradição e à prática fadista".

Compunham o júri a fadista Julieta Estrela de Castro, a apresentadora de televisão Margarida Mercês de Mello, a responsável do Museu do Fado, Sara Pereira, o realizador de rádio Edgar Canelas e o jornalista Nuno Lopes.

A Fundação Manuel Simões foi instituída pelo empresário discográfico em dezembro de 2001. Nascido em Pedrógão Grande, Manuel Simões (1917-2008) foi empresário discográfico e fundou a editora Estoril, a Discoteca do Carmo, e a fundação a que deu o seu nome, em dezembro de 2001.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.