Ator de "The West Wing" revela que sofre de Parkinson

Alan Alda sofre da doença há três anos mas só agora quis contar ao público

O ator Alan Alda, de 82 anos, vencedor de vários prémios Emmy e de um Globo de Ouro, conhecido pelo seu papel em "M * A * S * H" e "Os Homens do Presidente" (The West Wing), sofre da doença de Parkinson.

O ator foi entrevistado para o programa da CBS "This Morning", onde disse que apesar de ter recebido o diagnóstico há "três anos e meio", não o quis tornar público, pois ainda havia "coisas que podia fazer", como boxe, que pratica "três vezes por semana".

Alda interpretou o papel do candidato presidencial Arnold Vinick em "The West Wing" e foi nomeado para um Óscar em 2005 pelo seu papel no filme "O Aviador".

O ator disse também que decidiu contar que sofria da doença ao ver entrevistas recentes e perceber que era notório o tremor num dos seus polegares.

"Pensei que provavelmente era apenas uma questão de tempo antes que alguém escrevesse uma história sobre isso de um ponto de vista triste, mas não é assim que me sinto", sublinhou.

Segundo a BBC, foi o próprio ator quem alertou o seu médico que poderia sofrer de Parkinson, e um exame posterior acabaria por confirmar a doença.

Depois da revelação, em direto, o ator publicou uma mensagem no Twitter em que surge a fazer malabarismo. A acompanhar o vídeo, a legenda: "Decidi deixar as pessoas saberem que eu tenho Parkinson para incentivar outras pessoas a agir. Fui diagnosticado há 3 anos e meio, mas tenho uma vida cheia. Eu ajo, dou palestras, faço o meu podcast, faço aquilo que amo. Se receber um diagnóstico [de Parkinson], continue a andar".

A Doença de Parkinson é uma doença degenerativa neurológica que pode causar tremores e lentidão. Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostram que cerca de 1% da população mundial com mais de 65 anos sofre da doença.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.