Artistas de todo o mundo apelam ao boicote do Festival da Eurovisão em Israel

Mais de uma centena de artistas de todo o mundo, incluindo de Portugal, manifestaram apoio a um apelo de organizações culturais palestinianas para o boicote ao festival Eurovisão da Canção 2019 caso, como está previsto, decorra em Israel.

O músico e compositor José Mário Branco, o cantor Francisco Fanhais, o diretor artístico do Teatro Nacional D. Maria II, Tiago Rodrigues, a escritora e artista de teatro Patrícia Portela, o músico Chullage, o realizador António-Pedro Vasconcelos e o escritor José Luís Peixoto subscreveram em Portugal a carta que é assinada por cerca de 140 cantores, músicos, atores e escritores de vários países, onde se argumenta que não deverão existir relações próximas com o Estado israelita, até que os palestinianos tenham "liberdade, justiça e igualdade de direitos".

Na carta aberta divulgada na sexta-feira no diário britânico The Guardian -- também subscrita por Brian Eno, The Knife, Wolf Alice e finalistas da Eurovisão, incluindo os vencedores de 1994, os irlandeses Paul Harrington e Charlie McGettigan -- recorda-se que, em 14 de maio, dois dias após a vitória da cantora hebraica Netta Barzilai, em Portugal, com a canção "Toy", que colocou Israel como o próximo anfitrião, o exército israelita matou 62 palestinianos desarmados em Gaza, incluindo seis crianças.

Os artistas de diversos países europeus, e ainda de Israel, Estados Unidos e Austrália pedem à União Europeia de Radiodifusão (UER, EBU, nsigla da designação inglesa), que atualmente discute com Telavive a cidade que poderá acolher o certame, a transferência da sede para outro país, "com melhor historial de direitos humanos". "A injustiça divide, enquanto que a busca de dignidade e direitos humanos une", lê-se no documento.

Os subscritores, entre os quais também se incluem os cineastas Alain Guiraudie ("O Desconhecido do Lago"), Ken Loach ("Eu, Daniel Blake"), Mike Leigh ("Segredos e Mentiras"), Aki Kaurismäki ("O Outro Lado da Esperança") e o israelita Eyal Sivan, que dirigiu "Citizens K.", consideram que o festival Eurovisão de 2019 "deve ser boicotado, caso seja organizado por Israel e enquanto prosseguir a sua grave e duradoura violação dos direitos humanos dos palestinianos".

Em junho, diversas organizações culturais palestinianas apelaram ao boicote do certame de 2019, sublinhando que "o regime israelita de ocupação militar, colonialismo e apartheid está descaradamente a usar a Eurovisão como parte da sua estratégia oficial 'Brand Israel', que tenta mostrar 'a face mais bonita de Israel' para branquear e desviar a atenção dos seus crimes de guerra contra os palestinianos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).