Após oito milhões de leitores, Ridley Scott vai adaptar 'Sapiens' de Yuval Harari

O livro Sapiens do cientista israelita Yuval Harari já vendeu mais de oito milhões de exemplares em todo o mundo. Agora, o realizador Ridley Scott vai produzir um documentário a explicar como de um animal insignificante o Homem quer ser deus

Já é conhecido o próximo projeto do realizador Ridley Scott: a adaptação do livro Sapiens - Uma História Breve da Humanidade, de Yuval Harari. Um ensaio que era o preferido de Barack Obama, Mark Zuckerberg e Bill Gates, alguns entre os oito milhões de leitores de todo o mundo que compraram o livro, entre os quais milhares de portugueses que têm esgotado sucessivas edições deste título e da investigação que se lhe seguiu, Homo Deus.

O realizador norte-americano conta com o oscarizado argumentista Asif Kapadia para a adaptação do volume e direção do documentário, cuja estrutura ainda é desconhecida, sabendo-se no entanto que se vai focar no modo como o Homo Sapiens se tornou a espécie dominante no planeta Terra.

A revelação do documentário de Ridley Scott foi notícia no The Hollywood Reporter, que destacou o importante regresso a um género de documentários como os anteriormente protagonizados pelas séries Cosmos, de Carl Sagan, ou Planeta Terra, produzido pela BBC.

As duas obras do cientista israelita Yuval Harari têm sido traduzidas em todo o mundo e nos último dia de agosto o autor irá lançar o muito aguardado 21 Lições para o Século XXI, conforme já anunciou no Twiter.

O documentário pretende usar a estrutura de Sapiens para contar a evolução do Homem desde da pré-história à atualidade, de modo a compreender-se como ultrapassarou as restantes espécies e os outros membros da família sapiens e, segundo Harari, foram capazes de desenvolver uma inteligência que "os fez chegar à Lua, dividir o átomo, determinar a sequência do seu código genético e escrever livros de História".

O argumentista Assif Kapadia já referiu que o livro de Yuval Harari é capaz de "mudar a forma como vemos o mundo e desejo que o resultado do nosso trabalho tenha o mesmo efeito junto dos espetadores." Vai mais longe ao considerar que "pode ser uma chamada de atenção muito importante para sabermos quem somos, de onde viemos e para onde vamos" num momento crucial em que se encontra o equlíbrio da Terra.

Satisfeito com adaptação está também Yuval Harari, que é docente da Universidade Hebraica de Jerusalém, e no ano passado concedeu uma longa entrevista ao Diário de Notícias sobre o ensaio Homo Deus. Para o investigador, é a oportunidade de "combinar ciência, ficção, história, para se atingir o entendimento da nossa espécie, desde o seu estágio de animal insignificante até chegar ao estatuto de um deus".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.