Após oito milhões de leitores, Ridley Scott vai adaptar 'Sapiens' de Yuval Harari

O livro Sapiens do cientista israelita Yuval Harari já vendeu mais de oito milhões de exemplares em todo o mundo. Agora, o realizador Ridley Scott vai produzir um documentário a explicar como de um animal insignificante o Homem quer ser deus

Já é conhecido o próximo projeto do realizador Ridley Scott: a adaptação do livro Sapiens - Uma História Breve da Humanidade, de Yuval Harari. Um ensaio que era o preferido de Barack Obama, Mark Zuckerberg e Bill Gates, alguns entre os oito milhões de leitores de todo o mundo que compraram o livro, entre os quais milhares de portugueses que têm esgotado sucessivas edições deste título e da investigação que se lhe seguiu, Homo Deus.

O realizador norte-americano conta com o oscarizado argumentista Asif Kapadia para a adaptação do volume e direção do documentário, cuja estrutura ainda é desconhecida, sabendo-se no entanto que se vai focar no modo como o Homo Sapiens se tornou a espécie dominante no planeta Terra.

A revelação do documentário de Ridley Scott foi notícia no The Hollywood Reporter, que destacou o importante regresso a um género de documentários como os anteriormente protagonizados pelas séries Cosmos, de Carl Sagan, ou Planeta Terra, produzido pela BBC.

As duas obras do cientista israelita Yuval Harari têm sido traduzidas em todo o mundo e nos último dia de agosto o autor irá lançar o muito aguardado 21 Lições para o Século XXI, conforme já anunciou no Twiter.

O documentário pretende usar a estrutura de Sapiens para contar a evolução do Homem desde da pré-história à atualidade, de modo a compreender-se como ultrapassarou as restantes espécies e os outros membros da família sapiens e, segundo Harari, foram capazes de desenvolver uma inteligência que "os fez chegar à Lua, dividir o átomo, determinar a sequência do seu código genético e escrever livros de História".

O argumentista Assif Kapadia já referiu que o livro de Yuval Harari é capaz de "mudar a forma como vemos o mundo e desejo que o resultado do nosso trabalho tenha o mesmo efeito junto dos espetadores." Vai mais longe ao considerar que "pode ser uma chamada de atenção muito importante para sabermos quem somos, de onde viemos e para onde vamos" num momento crucial em que se encontra o equlíbrio da Terra.

Satisfeito com adaptação está também Yuval Harari, que é docente da Universidade Hebraica de Jerusalém, e no ano passado concedeu uma longa entrevista ao Diário de Notícias sobre o ensaio Homo Deus. Para o investigador, é a oportunidade de "combinar ciência, ficção, história, para se atingir o entendimento da nossa espécie, desde o seu estágio de animal insignificante até chegar ao estatuto de um deus".

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.