Guerra dos Tronos: depois do cataclismo, a luta final pelo trono

Série termina na próxima semana com o sexto e último episódio da oitava temporada. Fique a saber quem chega até lá e quem ficou pelo caminho esta semana.

Se ainda não viu o quinto episódio da oitava temporada de Guerra dos Tronos, é uma boa altura para parar de ler este texto. Fica o aviso: contém spoilers. Prosseguir com a leitura é por sua conta e risco.

Há muito que a teoria circulava: Daenerys Targaryen, a filha do Rei Louco, herdara a loucura do pai e havia de revelar-se como uma Rainha Louca. O episódio desta semana de Guerra dos Tronos, o quinto e penúltimo da oitava e ultima temporada da série, só a veio confirmar.

Em Os Sinos, Daenerys e o único dragão que lhe resta incendeiam e destroem Porto Real, mergulhando a capital de Westeros num inferno de chamas que não poupa ninguém, velhos, mulheres e crianças incluídos.

Mas se esta imagem dos horrores da guerra, com milhares de inocentes queimados pela fúria da Mãe dos Dragões e pelo fogo de Drogon, numa mímica do que o pai, Aerys II tentou fazer para evitar a chegada ao trono de Robert Baratheon, tendo sido travado pelo próprio chefe da Guarda Real - um Jaime Lannister que ganhou assim a alcunha de Kingslayer," assassino de reis" - muitos fãs não perdoam aos criadores da série o que consideram ser alguma falta de coerência na narrativa.

Sem a influência dos seus mais moderados conselheiros - Sir Jorah, mortos durante a Batalha por Winterfell, e Missandei, decapitada às ordens de Cersei - Daenerys decidiu vingar-se da forma mais sangrenta e pouco humana possível. Apesar de os soldados de Cersei estarem a render-se ao seu exército de Imaculados liderado pelo Verme Cinzento e com Jon Snow ao lado, a Mãe dos Dragões decidiu não poupar ninguém e destruir totalmente Porto Real, contrariando as sugestões da sua "Mão", Tyrion Lannister.

O que leva uma mulher que há poucos episódios se orgulhava de "a misericórdia" ser a sua força a queimar vivos aqueles que ela sempre quis que fossem os seus súbditos? Afinal estamos a falar de uma mulher que passou a vida aterrorizada com a ideia de poder ser como o pai, uma mulher que foi conquistando o poder libertando povos - ganhando o título A Quebradora de Correntes.

É verdade que depois de perder um dos seus três dragões para o Rei da Noite na sétima temporada e de ver outro do "filhos" cair, derrubado por uma das lanças gigantes lançadas por Euron Greyjoy no episódio 4 desta temporada, depois de ver os mais fiéis amigos mortos em Winterfell e Porto Real e depois de perceber que Jon Snow traiu a sua confiança ao contar às irmãs, Sansa e Arya, que é um Targaryen - filho de Lyanna Stark e de Rhaegar Targaryen, irmão mais velho de Danny - e por isso o herdeiro legítimo do Trono de Ferro, razões não faltam à Mãe dos Dragões para ficar louca.

Mas daí a queimar Porto Real rua a rua, sem poupar sequer os inocentes, tem gerado duras críticas por parte dos fãs, que questionam se os criadores da séries não estão a trair a narrativa de George RR Martin, o autor da saga As Crónicas de Gelo e Fogo, cujos dois últimos volumes ainda não terminou, deixando D.B Weiss e David Benioff entregues a si próprios para o final da série. O próprio Martin já lamentou que a Guerra dos Tronos termine já, sugerindo que gostaria de mais umas temporadas.

O último dos Lannister

Por entre mortes e violência, o episódio desta madrugada teve também algumas cenas tocantes. Foi o caso da despedida de Tyrion e Jaime Lannister. Convencido que o irmão seria o único capaz de convencer Cersei a desistir do poder e entregar o Trono de Ferro a Daenerys para salvar Porto Real - e o próprio filho que carrega na barriga, Tyrion liberta Jaime depois deste ter sido capturado pelos Imaculados.

"Se não fosse por ti nunca teria sobrevivido à minha infância", confessa Tyrion antes de abraçar o irmão e libertá-lo para ir convencer Cersei a desistir de tudo aquilo por que lutou até aqui. Sem esquecer de tocar os sinos, de forma a dar conta da rendição da rainha e a parar o ataque de Daenerys e Drogon.

Claro que o plano não funciona. E se os sinos tocam quando os soldados de Cersei se rendem, a Mãe dos Dragões continua a lançar fogo a partir dos céus. Quanto a Jaime, não só não se compreende por tira logo a luva, mostrando a sua mão dourada mal chega a Porto Real, como a luta com Euron Greyjoy numa caverna é mais um dos momentos que causam alguma perplexidade no espectador.

Ferido pelo rival, Jaime acaba por conseguir chegar até Cersei, quando esta tenta escapar de uma Fortaleza Vermelha em ruínas. Mas a fuga dos dois é travada por uma parede de escombros e os irmãos/amantes acabam soterrados por mais um ataque de Drogon.

A luta final pelo Trono de Ferro

Depois da morte de Varys - com o eunuco a ser queimado vivo por Danny por a ter traído e estar a tentar pôr Jon Snow no Trono de Ferro, o episódio desta madrugada ofereceu ainda aos espectadores um momento há muito esperado - o confronto entre Sandor - o Cão de Caça - Glegane e o irmão Gregor, conhecido como a Montanha. Depois de convencer Arya a desistir dos seus desejos de vingança em relação a Cersei e de obrigada a mais nova das irmãs Stark a sair da Fortaleza Vermelha, Sandor procura o irmão e os dois acabam envolvidos num combate até à morte. A de ambos, uma vez que só arrastando A Montanha do alto de uma torre para o meio das chamas O Cão de Caça consegue pôr fim a uma disputa que durava desde a infância de ambos quando Gregor lhe queimara a cara no fogo por não querer partilhar os brinquedos.

Ora morta Cersei (soterrada, presume-se que morreu) e com o Trono de Ferro vazio resta saber quem o vai ocupar no último episódio da série. Afinal foi disso que se tratou desde o primeiro dia e a longo de oito temporadas.

Irá Daenerys tornar-se numa Rainha Louca? Irá Jon Snow matar a amada para a impedir de continuar a causar morte e destruição? Ou caberá a Arya Stark eliminar Danny, cujo nome parece estar agora no topo da lista de execuções? Depois de escapar à morte por entre os escombros de Porto Real e de testemunhar em primeira mão as consequências da loucura de Daenerys, uma Arya sanguinolenta escapa da capital montada num providencial cavalo branco - cuja aparição no meio das ruínas e do fogo provocou mais um momento de estranheza no espectador.

No teaser para o último episódio, Arya é uma das três personagens que podemos ver sob a chuva de cinzas. Outra é Tyrion que, mortos os dois irmãos e com a consciência de que a Rainha dos Dragões dificilmente lhe perdoará mais um erro, parece carregar o peso do mundo às costas. Finalmente vemos Daenerys avançar em direção a várias fileiras de Imaculados em formação.

Com a luta final pelo Trono de Ferro em jogo, Jon Snow terá decisões para tomar, apesar de ter passado metade deste episódio a reafirmar que não quer ser rei. E claro que para isso contará com o apoio de Sansa, que continua em Winterfell. Daenerys ou Jon? Se a Guerra dos Tronos quer terminar em grande, talvez nenhum deles sejam o próximo a sentar-se no Trono, presenteando antes os fãs com um grande twist final.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.