Governo espanhol vai mesmo exumar corpo de Franco

O Governo espanhol irá decidir para onde serão enterrados os restos mortais de Francisco Franco, no caso de a família do ditador não comunicar um local que tenha a sua concordância

O executivo aprovou uma disposição para exumar os restos de Francisco Franco do local em que está enterrado, o Vale dos Caídos, uma medida que a família do ditador se continua a opor. A ministra da Justiça, Dolores Delgado, explicou em conferência de imprensa, depois do conselho de ministros desta sexta-feira, os passos que vão ser dados.

Os familiares do ex-chefe de Governo espanhol têm a partir de agora um último prazo de 15 dias para comunicar o local para onde deve ser transferido o corpo, desde que não seja para a Catedral de Almudena, em Madrid, que tinham proposto inicialmente, por motivos de ordem pública e para evitar que o ex-ditador receba homenagens.

Para o executivo socialista, o corpo do ditador, que se encontra atualmente no Vale dos Caídos, não pode ir para qualquer local onde possa ser "enaltecido ou homenageado". O Governo reserva-se, assim, o direito de dar o seu acordo quanto ao local definitivo para onde serão exumados os restos mortais, no caso de não concordar com a proposta.

Francisco Franco Bahamonde foi um militar espanhol que integrou o golpe de Estado que, em 1936, marcou o início da Guerra Civil Espanhola, tendo exercido desde 1938 o lugar de chefe de Estado, até morrer em 1975, ano em que se iniciou a transição do país para um sistema democrático.

O Vale dos Caídos, situado a 40 quilómetros de Madrid, é um complexo de edifícios de grande dimensão idealizado e erigido por Francisco Franco para homenagear os mortos da Guerra Civil espanhola, estando o túmulo do ditador, sempre florido, ao lado do fundador do partido fascista Falange, José Antonio Primo de Rivera. Em nome de uma suposta "reconciliação" nacional, Franco transferiu os restos mortais de 37 mil vítimas - nacionalistas e republicanos - da guerra civil, para o local que é visto como exaltador da ditadura franquista.

O parlamento espanhol aprovou em setembro último a proposta do Governo socialista a autorizar a exumação dos restos mortais do ditador.

O Tribunal Supremo espanhol rejeitou em 17 de dezembro último um pedido da família de Francisco Franco para que o Governo suspenda o processo de exumação do corpo do ditador.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG