Eurovisão: Portugal está na primeira semifinal e já há 13 músicas conhecidas

Portugal canta na primeira semifinal, onde também está Israel, França e Espanha, a 14 de maio. Segunda semifinal está marcada para 16 de maio. Grande final é a 18 de maio.

Ainda faltam quatro meses para a Eurovisão, mas já vão sendo conhecidos os alinhamentos das duas semifinais e já são conhecidas 13 das 42 canções que vão estar a concurso, em Telavive, Israel.

A organização do concurso sorteou na segunda-feira a ordem das semifinais. Portugal - cujo representante vai ser escolhido na grande final de 2 de março - canta na primeira semifinal, a 14 de maio. No mesmo grupo vão estar Israel (o anfitrião) e França e Espanha, que fazem parte do denominado Big Five (Os Cinco Grandes), que são os cinco países que mais contribuem para o financiamento da Eurovisão e o país vencedor do ano anterior e que acolhe a competição. Alemanha, Itália e Reino Unido estão na segunda semifinal, a 16 de maio. Os Big Five estão sempre apurados para a final. Em cada semifinal são apurados dez finalistas.

Para já, os fãs do festival da canção europeu, que chega a 200 milhões de telespetadores, podem começar a ouvir as primeiras músicas escolhidas para marcar presença em Telavive. Uma das vozes conhecidas é Jonida Maliqi, da Albânia, que já tentou por diversas vezes representar o seu país neste concurso. Vai cantar Ktheju tokës (Regressar à Terra).

A Arménia também já escolheu a sua representante. Srbuk é considerada uma das estrelas em ascensão na Arménia, tendo já participado em inúmeros concursos de talentos, incluindo o The Voice ucraniano. A intérprete está escolhida, falta revelar qual é a música que ela vai cantar.

A Áustria também apenas escolheu a sua intérprete. PAENDA vai cantar Limits, que ainda não foi apresentada ao público. Pela Bélgica, vai estar Elliot, o jovem de 18 anos que venceu o The Voice Belgique. A sua música ainda será revelada.

Chipre vai ser representado por Tamta, uma popular artista nascida na Geórgia, mas que se afirmou na Grécia. Vai cantar Replay, produzida por Alex P. e a encenação vai ficar a cargo do diretor artístico e encenador Sacha Jean-Baptiste. À semelhança do ano passado, com Eleni Foureira, Chipre volta apostar forte no número que apresenta em palco.

A banda indie-pop Lake Malawi (nome inspirado numa música dos Bon Iver) foi a selecionada para representar a República Checa. A música escolhida é Friend of a Friend. Com aspirações a uma carreira internacional, a banda canta em inglês.

A Ex-República Jugoslava da Macedónia vai ser representada pela repetente Tamara Todesvska. Mas esta será a primeira vez que vai como vocalista a solo. Este duas vezes como coro (em 2004 e 2014) e em 2008 integrou o trio Tamara, Vrčak & Adrijan.

O DJ e produtor multi-premiado Darude vai cantar pela Finlândia. Bilal Hassani será a representante francesa em Telavive. A Youtuber e compositora vai interpretar Roi (Rei).

Michela Pace, de 17 anos, é a cantora de Malta. A jovem participou no X Factor de Malta. A música ainda vai ser votada internamente. San Marino vai levar o repetente Serhat, que já esteve em Estocolmo, em 2016. A sua música também ainda não está escolhida.

Espanha este ano vai apostar num cantor a solo, depois de no ano passado ter trazido a Lisboa a dupla Alfred e Amaia. Miki venceu a Gala Especial Eurovisão da Operação Trinufo e vai cantar La Venda, em Israel.

A última participação que já é conhecida é a da Holanda. Ducan Laurence terminou este ano o curso na Rock Academy em Tilburg. A sua música ainda não foi revelada.

A edição deste ano da Eurovisão terá como tema Dare to Dream (Atreve-te a Sonhar). Todas as semanas serão conhecidas novas canções, das 42 que vão marcar presença em Telavive, em maio.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.