Eduardo Souto de Moura vence prémio da Academia Americana de Artes e Letras

O arquiteto português Eduardo Souto de Moura é o vencedor do Prémio Arnold W. Brunner de 2019, da Academia Americana de Artes e Letras, pela sua "contribuição significativa para a arquitetura".

Instituído em 1955, o prémio, no valor de 20 mil dólares (cerca de 17,7 mil euros), destina-se a distinguir arquitetos, de qualquer nacionalidade, que "tenham dado uma contribuição significativa à arquitetura como arte". Escolhido entre 33 nomeados, Souto de Moura foi reconhecido pela "qualidade intemporal e profundamente humanista" da sua obra, detentora de um "[sentimento] de inevitabilidade", disse a arquiteta Annabelle Selldorf, presidente do júri, no anúncio dos vencedores.

A decisão teve em conta um conjunto de "projetos notáveis" do arquiteto português, entre os quais o júri destacou o Estádio Municipal de Braga, a Torre Burgo, no Porto, e a Casa das Histórias Paula Rego, em Cascais.

A carreira de Eduardo Souto de Moura soma perto de 40 anos e mais de uma dezena de prémios, como o Leão de Ouro da Bienal de Veneza, atribuído no ano passado, e o Pritzker, o "Nobel da arquitetura", em 2011, pelo conjunto da obra. Entre outras distinções, recebeu o Prémio Piranesi da Academia Adrianea de Arquitetura e Arqueologia Onlus, de Roma, em 2017, o Prémio da X Bienal Iberoamericana de Arquitetura e Urbanismo, em 2016, "pelo importante contributo do seu ensino em universidades de diversos países", o Prémio Wolf de Artes da Fundação Wolf, em Israel, em 2013, o Prémio Pessoa, em 1998, e o Prémio Secção Portuguesa da Associação Internacional de Críticos de Arte, em 1996.

O Centro de Arte Contemporânea Graça Morais, em Bragança, a remodelação e valorização do Museu Nacional Grão Vasco, em Viseu, a Casa do Cinema Manoel de Oliveira e o Centro Português de Fotografia, no Porto, o projeto de interiores dos Armazéns do Chiado, em Lisboa, contam-se entre os seus projetos, assim como o Serpentine Gallery Pavilion, nos Kensington Gardens, em Londres, feito em parceria com Álvaro Siza, com quem iniciou a carreira, em 1981.

Além de Souto de Moura, a Academia Americana de Artes e Letras distinguiu ainda, este ano, com um prémio individual de dez mil dólares (perto de 8,85 mil euros), o diretor do Instituto de Arquitetura do Sul da Califórnia (Sci-Arc), Hernan Dias Alonzo, pela "sua influência no futuro" da profissão, os responsáveis pelo Laboratório Global Africa, do departamento de Arquitetura da Universidade de Columbia (GSAPP/Columbia), em Nova Iorque, Mario Gooden e Mabel O. Wilson, "por defenderem a existência de um mundo mais justo", os arquitetos Eric Höweler e Meejin Yoon, de Boston, "pelas suas formas e estruturas inovadoras", e a diretora do programa Architectural League of New York, Anne Rieselbach, "pelo apoio ao desenvolvimento de novas ideias em design urbano e arquitetura".

Os prémios serão entregues durante a cerimónia anual da Academia, a realizar em Nova Iorque, em maio.

Entre os arquitetos já distinguidos pela Academia Americana de Artes e Letras, em edições anteriores, contam-se Phyllis Lambert, Sheila O'Donnell e John Tuomey, Alberto Campo Baeza, Kathryn Gustafson e Diébédo Francis Kéré.

O júri da edição deste ano foi composto pelos arquitetos Annabelle Selldorf (presidente), Henry N. Cobb, Kenneth Frampton, Steven Holl, Thom Mayne, Laurie Olin, James Polshek, Billie Tsien e Tod Williams.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.