Documentário sobre Natália Correia em preparação

A poeta Natália Correia vai ter um documentário intitulado A Mulher que Morreu de Pé de autoria da cineasta Rosa Coutinho Cabral. Que hoje apresenta em Ponta Delgada, o seu premiado filme Coração Negro.

A cineasta Rosa Coutinho Cabral apresenta hoje o seu filme Coração Negro, no Teatro Micaelense, em Ponta Delgada, e anunciou que está a preparar um documentário sobre Natália Correia. O título será A Mulher que Morreu de Pé.

Em entrevista à agência Lusa, a realizadora justifica este novo projeto porque Natália Correia "é conterrânea, uma grande poeta e dramaturga e porque foi uma mulher de intervenção". Acrescenta que "fazer cinema é um ato político", tal como já acontece no filme Coração Negro e, espera, em todos os filmes que ainda deseja fazer.

Para Coutinho Cabral, "a forma de fazer um filme e a forma de mostrar aquilo que se conta, como é que eu decido os planos, como é que eu os considero importantes, como é que eu os quero fazer, é, de facto, um gesto, é uma política".

É o que acontece em Coração Negro, de 2017, onde mostra a morte de uma relação, mas também "toda a solidariedade que é possível ter pelo sofrimento das pessoas", evidenciando que, no sofrimento, "nada é linear, nada tem uma causa-efeito tão concreta e tão romanesca como é normalmente apresentado".

A ação desenrola-se na ilha do Pico, onde o casal, interpretado por Maria Galhardo e João Cabral, está a reconstruir uma casa, uma escolha que Rosa Coutinho Cabral diz ter sido intencional, porque "toda a morfologia do Pico, a geologia do Pico, é tão intensa e é tão particular", que "muito rapidamente, estas características da ilha tornaram-se uma metáfora da violência interna daquele casal, da violência que aquele casal vive".

O filme obteve vários prémios, dos quais se destacam o de melhor realizador, no Krajina Film Festival, melhor filme no Festival ARFF - Amsterdam, e melhores atores para Maria Galhardo e João Cabral, no Best Actos Film Festival, em São Francisco. O reconhecimento internacional é "muito gratificante, depois de um esforço tão grande que foi fazer este filme, que, realmente, teve uma rodagem longa, algo atribulada, com muito pouco dinheiro", explicou, mas lamenta que, em Portugal, o mercado seja "muito fechado e muito injusto, às vezes".

Da filmografia de Rosa Coutinho Cabral constam também os documentários Pé San Ié - O Poeta de Macau, sobre o poeta Camilo Pessanha, e Arrivederci Macau, sobre o arquiteto Manuel Vicente, bem como as longas-metragens Cães sem Coleira, Lavado em Lágrimas e Serenidade.

O seu novo projeto, A Mulher que Morreu de Pé, leva-a, novamente, aos Açores, desta vez à sua terra natal, Ponta Delgada, onde apresenta Coração Negro no Teatro Micaelense.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG