Dead Combo anunciam fim da banda em 2020. "Decidimos acabar, mas acabar em grande"

Tó Trips e Pedro Gonçalves anunciaram o fim dos Dead Combo. A despedida vai ser em cima do palco com uma digressão, um "passeio" pela história da dupla, que começa no final deste ano e termina em 2020.

"Não é um final triste, há muita coisa para ser celebrada", dizem os Dead Combo. A dupla, composta por Tó Trips e Pedro Gonçalves, anunciou esta terça-feira o fim da banda em 2020.

"Se o nosso encontro (Tó/Pedro) foi uma descoberta, uma grande amizade, um diálogo musical, um universo que se foi adensando e clarificando; se todos estes anos foram uma grande festa nas nossas vidas, não poderia ser de outra forma o nosso final. Decidimos acabar, mas acabar em grande", anuncia a dupla na rede oficial da banda.

A história desta dupla começou em 2003 quando o grupo foi formado por um convite de Henrique Amaro, da rádio Antena 3, para gravar a faixa Paredes Ambience, incluído no CD de homenagem ao guitarrista português Carlos Paredes. "Quando o acaso decidiu juntar dois corpos escanzelados que mal se conheciam e vibravam por músicas distantes", recordam Tó Trips e Pedro Gonçalves.

Os três primeiros álbuns da banda alcançaram o top 10 do iTunes nos EUA.

Despedida é feita em cima do palco com uma digressão que começa este ano

No ano passado, em abril, os Dead Combo apresentaram Odeon Hotel, sexto álbum de originais, assinado pelo baixista Pedro Gonçalves e pelo guitarrista Tó Trips, gravado em Lisboa ao longo de um ano, com produção do músico norte-americano Alain Johannes. Agora, 16 anos depois surge o anúncio do fim da banda. "Não é um final triste, há muita coisa para ser celebrada", asseguram na publicação que fizeram no Facebook.

A dupla vai terminar nos palcos com uma digressão que começa no final deste ano e que vai terminar em 2020. "De uma forma concreta, acabamos como começámos: os dois.Voltamos aos palcos com uma tour, num passeio pela nossa história", anunciaram.

Pedro Gonçalves e Tó Trips surgiram há 16 anos a criarem composições instrumentais marcadas pelo rock, pelos blues, pela tradição da música portuguesa e com influências que se estendem a África e à América Latina.

Já editaram álbuns como Dead Combo - Quando a alma não é pequena, Lusitânia Playboys, Lisboa mulata e Dead Combo e as cordas da má fama.

Com Lusa

Exclusivos