Como uma comediante muçulmana deficiente vai chegar à televisão

Uma conferência Ted Talk no final de 2013 pode levar a mais improvável comediante à antena da cadeia norte-americana de televisão ABC.

Chama-se Maysoon Zayd. É muçulmana, palestiniana, negra, deficiente mental (paralisia cerebral), gorda. E mora em New Jersey. Costuma dizer que se existissem umas Olimpíadas da Opressão ela teria uma medalha de ouro.

Diz a brincar, claro, é esse o ofício de Maysoon: comediante. Sendo a mais improvável artista nesta modalidade, está na perspetiva de ver concretizado o mais impossível dos sonhos: ter uma sitcom na ABC, intitulada Can Can.

Se o vai conseguir mesmo ou, não se sabe. Das dezenas de argumentos que a ABC recebe todos os anos, menos de uma mão cheia chegam à antena. Mas o facto é que a estação lho pediu. E para isso foi decisiva a participação de Maysoon numa Ted Talk em finais de 2013. Nessa prestação, a comediante definiu-se como uma espécie de mistura entre Shakira e Muhammad Ali (o mais famoso boxeur de sempre, que morreu em 2016 vítima de Parkinson). "Tenho paralisia cerebral, estou sempre a tremer", disse Maysoon à sua audiência.

As estatísticas dizem que quase 20 por cento da população americana é deficiente - mas no entanto só haverá uns 2% de personagens deficientes na produção televisiva norte-americana

Se Can Can for para o ar, isso representará a chegada ao main stream de duas populações atualmente nas margens: uma bastante ignorada (os deficientes) e outra altamente demonizada (os muçulmanos).

As estatísticas dizem que quase 20 por cento da população americana é deficiente - mas no entanto só haverá uns 2% de personagens deficientes na produção televisiva norte-americana, sendo que 95% desses personagens são desempenhados por atores sem deficiência.

Por outro lado, a população muçulmana dos EUA tornou-se altamente estigmatizada depois do 11 de setembro e, como diz Joanna Quraishi, parceira de Maysoon na escrita dos guiões, "ou é vista como terrorista ou como Kardashian".

Maysson Zayid tem sido uma ativista muito vocal de um pequeno mas muito empenhado movimento que chama a atenção para os direitos das pessoas com deficiência no entretenimento. Jay Ruderman, presidente da Fundação Família Ruderman, uma organização filantrópica e defensora dos direitos dos deficientes (e que também trabalha para fortalecer os laços entre os judeus americanos e Israel), disse que o programa de Zayid poderia esmagar os estigmas duradouros que as pessoas com deficiência enfrentam. "O progresso está a ocorrer muito lentamente mas as mudanças podem ser transformadoras."

O personagem principal de Can Can será muito parecido com Zayid, uma mulher que é deficiente e muçulmana e que cresceu em Nova Jersey com cabelos grandes e t-shirts do Metallica, navegando pelo amor e amizades e pelo mundo.

A comediante vive em New Jersey com um gato e o marido, cuja identidade gosta de preservar. Trata-o por Chefugee, mistura entre refugiado (refugee, em inglês) e chef de cozinha. Conheceram-se num campo de refugiados nos territórios palestinianos.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.