Cláudio Bento França: o pivô da SIC que usa rasta e joga râguebi

Discreto, empenhado, interessado. É desta forma que quem conhece Cláudio Bento França descreve o jornalista que se estreou como pivô de rasta este fim de semana, no espaço noticioso matutino da SIC Noticias. Um ano e meio depois de ter chegado ao canal.

Tem 27 anos e cresceu nas Caldas da Rainha. Cláudio Bento França tem origens angolanas, é atleta de alta competição, joga râguebi na variante de sevens, e estreou-se diante dos ecrãs na SIC Notícias como pivô, este sábado, 26 de setembro, apresentando-se de rasta. Uma escolha do canal que recolheu aplausos de muitos quadrantes e uma imagem que se tornou viral nas redes sociais por ser uma opção que põe em evidência a representatividade no espaço mediático.

Ao Diário de Notícias, nem o jornalista e agora pivô, nem o canal querem fazer comentários sobre a opção ou sobre as reações que emergiram dessa decisão. "Esta escolha não é proclamatória, não é nenhuma bandeira. O Cláudio começou no horário onde todos começam, das sete às dez da manhã de fins de semana e por ser um mais resguardado", refere um dos elementos da Informação do canal de Balsemão.

Cláudio Bento França chegou à SIC no ano passado, no âmbito de um estágio curricular de seis meses inserido numa parceria entre o canal e a Escola Superior de Educação e Ciências Sociais, do Instituto Politécnico de Leiria. Desde essa época, o jornalista "ficou a colaborar, primeiro, no Desporto e depois no Online", refere um elemento do canal, apontando o subdiretor de Informação Pedro Cruz como o responsável pela permanência de Cláudio na redação para lá do estágio curricular

Um outro elemento explica que, recentemente, o jornalista "integrou um curso regular interno de formação de pivôs feito por Rodrigo Guedes de Carvalho", "passou todas as fases", tendo-se destacado pela "ótima presença, voz e dicção".

E se tudo indicava que Cláudio Bento França se estreasse "há 15 dias", até por, "antes do verão, se ter considerado que ele estaria em condições" para a função, o novo rosto da SIC Notícias acabou por se sentar diante das câmaras este sábado e domingo. Apesar de não fazerem declarações oficiais, elementos da estação reconhecem que a escolha "haveria de criar algum buzz, porque infelizmente vivíamos no pais onde vivemos, mas é tempo de o deixar fazer o caminho dele".

Sobre o futuro do jornalista e pivô, a estação pede calma. "Para a semana, o Cláudio estará a trabalhar numa equipa normal, numa escala normal de repórteres. Exactamente igual a cinco, dez pessoas antes dele", refere um dos elementos contactos pelo DN.

De atleta aos ecrãs

No Curso de Comunicação e Media, no IPL, Cláudio não passava despercebido. "Era um aluno atento, empenhado, participativo, tranquilo, interessado", revelando "um bom domínio técnico e sabia escrever bem", conta uma das suas professoras. Um outro conta ao DN que "era discreto, trabalhador".

Ainda a concluir o curso e agora na televisão, Cláudio é também atleta de alta competição de râguebi, na vertente sevens, estando atualmente no Cascais.

Uma prática desportiva que começou em 2005, nas Caldas da Rainha, cidade de onde é natural, e resultado de "uma mera descoberta do desporto na região por uma tia", afirmou em 2014, numa entrevista ao site Groundlink.

Cerca de sete anos depois, passou a jogar com os seniores, foi considerado o melhor jogador do Caldas Rugby Clube na época 2012-2013 e tornou-se capitão de equipa, acalentando o sonho de vir a ser convocado a nível nacional. "O meu grande objectivo para esta época [2013-2014] é subir de divisão. Sei que é possível mas temos muito trabalho pela frente. A chamada à seleção não sei se posso dizer que é um objectivo, mas sim um sonho. Não estou obcecado pela minha chamada, se continuar a trabalhar e a ter resultados um dia hei-de conseguir", declarava nessa mesma entrevista.

Em maio de 2014, em conversa com o Jornal das Caldas, Cláudio falava já sua experiência na seleção. "Tem corrido bem, tenho aprendido imenso". À data, o agora jornalista descrevia os treinos da Seleção Nacional de Sevens como "duros e cansativos", de "segunda a quinta-feira".

Um percurso feito a par e passo com a formação académica e superior. Ao DN, Catarina Menezes, coordenadora do curso de Comunicação e Media, no IPL, não se alonga em detalhes sobre Cláudio França, sublinha antes: "Penso que a edição da SIC Notícias de ontem [sábado, 27 de setembro] fala por si". "Foi uma prestação segura, super-profissional, com uma voz e uma dicção maravilhosas, o que nos deixa muito orgulhosos enquanto instituição por ver alunos nossos a fazer este percurso". "O Cláudio é um aluno que merece imenso ter tido esta oportunidade e mostrou que tem todo o profissionalismo trabalhar", acrescenta.

Os aplausos e o exemplo

E elogios não têm faltado a Cláudio e à SIC. Os cantores e compositores Carolina Deslandes, Dino d"Santiago ou a atriz Ana Sofia Martins foram algumas das celebridades nacionais que aplaudiram a escolha de "um negro de rasta" na primeira linha da informação, sinónimo de "representatividade" nos media.

Esta não é, porém, a primeira vez que um pivô negro chega aos ecrãs e com a particularidade de assumir o seu cabelo e estilo. Desde 4 de julho de 2015 que Conceição Queiroz assegura os noticiários da TVI24 das 9.00 às 16.00 e fá-lo com as suas características pessoais. Esta jornalista de Queluz de Baixo olha para Cláudio com orgulho, elogia a decisão da concorrência e deseja-lhe boa sorte. "Estou a torcer por ele, esta é uma grande oportunidade, e é tão raro elas existirem", afirma. "Acho que este deve ser um momento de reflexão e de os negros continuarem a investir neles próprios, na educação e estarem preparados para quando chegar e surgir a oportunidade a agarrarem sem medos", recomenda a jornalista e pivô da TVI24.

A opção de Cláudio em surgir com as suas rasta merece louvor de Conceição, ela própria que se tem apresentado no ecrã com o seu look natural . "O Sérgio [Figueiredo, ex-diretor de Informação da TVI e que escolheu a jornalista para pivô do bloco noticioso da TVI24] adorava o meu cabelo. Mas quem me incentivou a usar o cabelo sempre assim foi a Manuela Moura Guedes. Um dia, estava eu como jornalista da Grande Reportagem, fui à redação, ela viu-me com o cabelo assim e disse que tinha de o usar assim mais vezes", recorda Conceição Queiroz.

E se há 25 anos que a jornalista de origem moçambicana está na TVI, cinco deles diante das câmaras do canal cabo como pivô, certo é que continua a ser alvo de comentários, muito deles depreciativos. "Recebo muitas mensagens, emails de pessoas que gostam do meu trabalho, mas já me atacaram várias vezes. Há uma minoria branca que, efectivamente, nos faz a vida negra", alerta a jornalista. Por isso, pede a Cláudio Bento França que resista. "É uma responsabilidade e ele vai sentir o peso disso mesmo com o passar do tempo". "O que posso dizer ao Cláudio passa por lhe dizer que não ceda a insultos, a provocações, porque já começaram, e terá de estar muito bem preparado do ponto de vista emocional. Porque depois da estreia é preciso resistência para continuar e ficar, isso é mesmo muito desafiante", alerta.

Ainda antes de Conceição, recorde-se que o jornalista moçambicano José Mussuailli se estreou também na TVI como pivô, em 2005.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG