Cinema Monumental vai fechar em fevereiro

Paulo Branco anunciou o fim da atividade regular das salas de cinema da Medeia no centro de Lisboa

O cinema Monumental vai terminar a sua atividade regular a 20 de fevereiro de 2019, dia em que acontecerá ali uma homenagem ao realizador João César Monteiro.

O anúncio foi feito esta manhã em conferência de imprensa pelo produtor de cinema Paulo Branco, responsável pela empresa de distribuição e exibição Medeia, que explora as quatro salas do Monumental no Saldanha, em Lisboa. Depois disso, apenas o Cineateatro, a sala maior, com 378 lugares, continuará a ter sessões especiais ao fim de semana, "até haver uma reestruturação completa do prédio do Monumental", explicou.

Paulo Branco justifica a decisão de encerramento com "uma quebra dramática de espectadores". "Esta situação deriva essencialmente de, em termos económicos, ser absolutamente impensável manter um espaço destes ocupado com exibição cinematográfica", disse Paulo Branco.

Inaugurado a 14 de novembro de 1951, o cine-teatro Monumental recebia inicialmente cinema mas, sobretudo, teatro. O empresário Vasco Morgado apresentava ali regularmente os espetáculos Laura Alves e João Villaret. Na década de 70, a sala entrou em decadência, acabando por fechar as portas em 1983, tendo sido anunciada a sua demolição. Foi alvo de profundas obras de remodelação, coordenadas pelos arquitetos Egas José Vieira e Manuel Graça Dias, e passou a ter quatro salas de cinema com capacidade para mais de 800 espectadores.

Em Lisboa, a Medeia Filmes ficará apenas com o Nimas. No resto do país, tem ainda oTeatro Municipal Campo Alegre e o Teatro Municipal Rivoli (Porto), Charlot (Setúbal), Theatro Circo (Braga), Centro de Artes e Espetáculos (Figueira da Foz) e Teatro Académico Gil Vicente (Coimbra).

Exclusivos