Cameron Boyce. Ator da Disney morreu devido a convulsão provocada por epilepsia

O ator era conhecido pelas suas participações na série "Jessie" e no filme "Os Descendentes".

A informação foi avançada pela família do ator da Disney à revista People: Cameron Boyce, 20 anos, morreu devido a uma convulsão provocada por epilepsia. Os detalhes da morte foram divulgados na terça-feira, três dias depois de a família ter confirmado o óbito do ator.

"A morte trágica de Cameron foi devido a uma convulsão que resultou de uma condição médica que estava a ser tratada, e essa condição era epilepsia", disse a família, em comunicado, à revista People.

"Ainda estamos a tentar descobrir como ultrapassar este momento doloroso", escreveu a família, pedindo privacidade para a fase difícil que atravessa.

Tal como o DN noticiou, Cameron Boyce, conhecido pelas suas participações em séries e filmes do Disney Channel, morreu no sábado aos 20 anos.

No dia em que o óbito foi anunciado, a família disse que a causa da morte estava relacionada com a "condição médica" a que Cameron estava sujeito, mas não foram adiantados pormenores sobre a mesma.

"É com o coração profundamente pesado que relatamos que esta manhã perdemos Cameron", adiantou um porta-voz da família. Segundo a mesma fonte, o jovem "faleceu durante o sono devido a uma convulsão, que resultou da condição médica para a qual estava a ser tratado".

"O mundo está agora, sem dúvida, sem uma das suas mais brilhantes luzes, mas o seu espírito viverá através da bondade e da compaixão", acrescentou a família.

Cameron Boyce ganhou popularidade em "Jessie", uma série televisiva sobre uma rapariga, interpretada por Debby Ryan, que se muda do Texas para Nova Iorque e acaba a tomar conta de quatro crianças de uma família rica. Cameron Boyce era uma dessas crianças - Luke Ross.

"Desde tenra idade, Cameron Boyce sonhava partilhar os seus extraordinários talentos artísticos com o mundo", contou o porta-voz do canal, citado pela CNN, destacando que o jovem era "um artista incrivelmente talentoso, uma pessoa extraordinariamente atenciosa e, acima de tudo, um filho, irmão, neto e amigo dedicado e amoroso".

O porta-voz do Disney Channel lamentou a "morte prematura" de Cameron, que deixou "milhões de fãs" de luto.

Cameron nasceu e cresceu em Los Angeles e, de acordo com a biografia da Disney, era apelidado de "alma velha" por aqueles que o conheciam. Aos 19, já era conhecido como um "veterano".

Em 2017, o DN esteve à conversa com algumas estrelas da Disney, entre as quais Cameron Boyce, que interpretou o papel de Carlos de Vil (filho de Cruella) no filme Os Descendentes. Ao DN, disse que não tinha "nenhum" problema com o rótulo de estrela Disney, que acompanha muitos atores e cantores.

Cameron começou a trabalhar em televisão aos 12 anos. Cresceu nos ecrãs. "Somos crianças normais", defendeu. Com uma vida diferente. Uma vida em que palavras como "talento, disciplina, profissionalismo ou responsabilidade" lhe saiam naturalmente quando lhe perguntavam pela infância. "É preciso ter um grande sentido de si mesmo para navegar no labirinto", reconheceu.

Do currículo de Boyce fazem parte participações em filmes como Mirrors e Eagle Eye (2008), Grown Ups (2010) e Game On (2011). Já no que diz respeito a série, conta com participações em títulos como General Hospital: Night Shift (2008), Bunk'd (2016) e Code Black (2016).

O ator também é uma das personagens da série Mrs. Fletcher, criada por Damon Lindelof e Tom Perrotta, que deverá estrear ainda este ano na HBO.

Segundo o canal, Cameron estava ligado a algumas causas filantrópicas, nomeadamente ao Thirst Project, uma organização sem fins lucrativos que se dedica ao fornecimento de água potável em países em desenvolvimento.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.