Banksy 'destruído' já tem "valor incalculável"

Licitadora anónima, que decidiu manter a compra por 1,2 milhões de euros de obra cortada em tiras, ficou com uma peça cuja história lhe multiplicou muitas vezes o valor, diz especialista ao DN

Os cerca de 1,2 milhões de euros pelos quais foi arrematada - e logo "destruída" por uma trituradora escondida na tela - a obra Girl with Baloon, de Banksy, poderão ter sido o melhor negócio da vida da licitadora anónima europeia que a adquiriu. A Sotheby's já atribuiu um novo nome à obra - Love is in the Bin (ou o amor está no caixote de lixo) -, descrevendo agora a inesperada intervenção do artista plástico britânico como "história de arte instantânea". E a verdade é que, para quem está familiarizado com os leilões de obras e artistas icónicos, não restam dúvidas de que o desenho, agora maioritariamente reduzido a tiras, passou a ter "um valor incalculável".

"A licitadora decidiu ficar com a obra. Não foi burra nenhuma. Eu teria feito o mesmo. O que chamamos de destruição foi, na realidade, uma continuação da obra do artista, fazendo daquela obra uma coisa única, ainda por cima com um evento associado e a projeção mediática que teve", diz ao DN Sebastião Pinto Ribeiro, CFO da casa de leilões Palácio do Correio Velho e presidente da Associação Portuguesa de Leiloeiros de Arte. "Só saberemos exatamente quanto é que ela vale se um dia for posta à venda e houver uma licitação. Dez vezes, cem vezes, mil vezes o valor original? Só se vai descobrir quando se puser a obra à venda outra vez".

"Aficionados iriam comprar mais a história do que a obra em si"

Do que o especialista não tem dúvida é que "obviamente" a obra saltou para um patamar completamente distinto a partir do instante em que começou a ser feita em tiras perante o olhar incrédulo do público e dos funcionários da Sotheby's que tinham acabado de anunciar a venda. "Já tem um valor histórico, que ainda não conseguimos quantificar", reforça. "Sabemos que foi vendida por pouco mais de um milhão de euros na fase anterior em que estava. Aconteceu aquilo. Não é uma destruição, porque faz parte da obra e da sua história", insiste. "Pode valorizar muitíssimo. Os aficionados, um dia em que esta obra voltasse a estar em leilão, iriam mais comprar a história do que a obra em si. Neste momento, tem um valor incalculável".

Desafiado a apontar uma base de licitação para a obra, caso fosse chamado a levá-la a leilão, Sebastião Pinto Ribeiro explica que esse valor "seria indiferente, porque o próprio mercado é que ia falar sobre a situação. Podia pôr três milhões e, de repente, no leilão fazia 30 milhões", admite. Ainda assim, finaliza, "duvido que a compradora esteja interessada em vendê-lo nesta fase".

Banksy divulgou um vídeo no Youtubeonde descreve todo o processo associado a esta intervenção, desde os ensaios até ao momento em que, em plena Sotheby's, aciona o comando remoto que põe em funcionamento a trituradora escondida na moldura do quadro.

No vídeo é também revelado que a intenção do artista plástico, de resto como sucedeu nos vários ensaios, era destruir todo o desenho e não apenas cerca de dois terços do mesmo, como acabou por acontecer. Se esse pormenor aumentou ou não ainda mais o valor potencial da obra é outra coisa que só o tempo dirá.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...