Anatomia de um crime e conspiração no regresso de Patrick Dempsey

Em "A verdade sobre o caso Harry Quebert", o ator veste a pele de um escritor milionário acusado de homicídio e cheio de segredos

A história começa com uma chuva torrencial e um encontro inesperado. No início da nova série dramática "A verdade sobre o caso Harry Quebert", o rosto familiar de Patrick Dempsey transporta a audiência para um lugar confortável ao lado do protagonista. No entanto, este regresso do ator à televisão não é uma oportunidade de reentrar numa pele ao estilo "McDreamy". Três anos depois da sua saída de "Anatomia de Grey", Dempsey encarna um personagem muito menos recomendável, ainda que mais intrigante.

A minissérie de dez episódios, que estreia hoje no AMC Portugal, é baseada no best-seller do escritor suíço Joël Dicker e foi realizada por Jean-Jacques Annaud ("O Nome da Rosa", "Sete Anos no Tibete"), que nunca tinha feito televisão. Explora a história do escritor Harry Quebert, interpretado por Patrick Dempsey, cuja carreira como ícone literário encontra o precipício no dia em que é preso por homicídio. A acusação inesperada surge quando os restos mortais de uma adolescente de 15 anos desaparecida desde 1975, são encontrados na sua propriedade.

O que resta de Nola (Kristine Froseth) é desenterrado juntamente com um exemplar do livro de maior sucesso que Quebert escreveu, "A Origem do Mal", mas aquilo que parece claro não o é, obviamente, ou haveria pouca história para contar. A ação decorre no Maine, onde há cenários idílicos, florestas a perder de vista e lugares típicos das zonas costeiras no estado mais a nordeste dos Estados Unidos, que quase se insinua como uma personagem extra (apesar de tudo ter sido filmado em Montreal).

Depois do primeiro encontro com Quebert nos anos setenta, quando procura inspiração à beira-mar e é apanhado numa chuvada torrencial, a série desenrola-se com flashbacks que vão adensando o mistério.

A audiência é embalada na história pelos olhos de Marcus Goldman, um protegido de Quebert interpretado por Ben Schnetzer que acredita na inocência do seu mentor. Marcus, atormentado pela incapacidade de escrever um bom segundo livro após o sucesso explosivo da sua primeira obra, muda-se de volta para o Maine com a intenção de investigar o assassinato de Nola Kellergan e provar que Quebert é inocente.

É através dele que o espectador oscila entre a certeza de que o escritor milionário nunca poderia ter cometido aquele crime e o assombro perante a enorme possibilidade de que o tenha feito. Afinal, o que quis um homem feito com uma adolescente de quinze anos que conheceu num dia de chuva? A resposta, dada nos últimos episódios, não será aquilo que se espera.

"A verdade sobre o caso Harry Quebert" inclui muitas caras conhecidas no elenco e um desfilar interessante de personagens. Entre eles, Damon Wayans Jr como sargento Perry Gahalowood, que vai investigar a morte da adolescente Nola, e Virginia Madsen como Tamara Quinn, a dona de um restaurante local que se revela conhecedora de um segredo de Quebert. Patrick Dempsey afasta-se de forma consistente do perfil "McDreamy" que interpretou durante dez anos, surgindo envelhecido e, a espaços, arrepiante.

A série, baseada na obra que venceu o Grande Prémio de Romance da Academia Francesa em 2012, estreia no AMC Portugal este domingo com episódio duplo, a partir das 22h10.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Crónica de Televisão

Cabeças voadoras

Já que perguntam: vários folclores locais do Sudeste Asiático incluem uma figura mitológica que é uma espécie de mistura entre bruxa, vampira e monstro, associada à magia negra e ao canibalismo. Segundo a valiosíssima Encyclopedia of Giants and Humanoids in Myth and Legend, de Theresa Bane, a criatura, conhecida como leák na Indonésia ou penanggalan na Malásia, pode assumir muitas formas - tigre, árvore, motocicleta, rato gigante, pássaro do tamanho de um cavalo -, mas a mais comum é a de uma cabeça separada do corpo, arrastando as tripas na sua esteira, voando pelo ar à procura de presas para se alimentar e rejuvenescer: crianças, adultos vulneráveis, mulheres em trabalho de parto. O sincretismo acidental entre velhos panteísmos, culto dos antepassados e resquícios de religião colonial costuma produzir os melhores folclores (passa-se o mesmo no Haiti). A figura da leák, num processo análogo ao que costuma coordenar os filmes de terror, combina sentimentalismo e pavor, convertendo a ideia de que os vivos precisam dos mortos na ideia de que os mortos precisam dos vivos.