Ana Gomes quer passar a livro processo da independência timorense visto de Jacarta

A atual eurodeputada do Partido Socialista integrou a equipa de negociadores portugueses no processo sobre a autonomia de Timor-Leste.

A ex-diplomata e atual eurodeputada socialista Ana Gomes disse este domingo que, quando terminar o mandato, pretende dedicar-se a escrever sobre o processo de independência de Timor-Leste visto de Jacarta, onde foi embaixadora.

Ana Gomes, que integra o grupo parlamentar europeu do Partido Socialista, anunciou recentemente que não se recandidatará nas eleições europeias de maio.

"Quando sair do parlamento, a primeira coisa que tenho obrigação de fazer é enfiar-me nos arquivos do Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) a escrever o processo de Timor visto de Jacarta", disse.

Ana Gomes falava à agência Lusa a propósito da passagem dos 20 anos das declarações históricas do Presidente indonésio Habibie, admitindo a independência do território após consulta popular, que este domingo se assinalam.

A atual eurodeputada integrou a equipa de negociadores portugueses no processo sobre a autonomia de Timor-Leste, entre 1999 e 2000 chefiou a Secção de Interesses Portugueses na Embaixada da Holanda, em Jacarta, e entre 2000 e 2003 foi embaixadora de Portugal na Indonésia.

"Eu e a minha equipa escrevemos muito nessa altura e sabíamos que estávamos a escrever para a História. Se não conseguir escrever, 60% já está lá, mas gostava de completar com os 40% de que ainda me lembrar", disse.

Nas declarações à Lusa, Ana Gomes defendeu também que, no ano em que se assinalam os 20 anos do referendo sobre a autonomia de Timor-Leste que conduziu à independência do país, Portugal deve condecorar três altos funcionários das Nações Unidas, que considera terem sido "peças-chave" de todo o processo.

"Gostava que estes 20 anos do referendo propiciassem que o Estado português atribuísse condecorações a dois homens - Francesc Vendrell e Tamrat Samuel - que foram chave neste processo por parte das Nações Unidas", disse.

"Depois acrescentaria Ian Martin pelo papel no período crucial da Missão das Nações Unidas em Timor-Leste (UNAMET)", prosseguiu.

Para Ana Gomes, Francesc Vendrell e Tamrat Samuel, "merecem como ninguém uma condecoração de agradecimento do Estado português pelo trabalho extraordinário que fizeram por Timor-Leste, ajudando Portugal na condução deste processo".

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.