Os Cadernos da Minha Vida: o mundo de Joana Vasconcelos

Os dez cadernos de luxo baseiam-se nos diários da artista plástica, Joana Vasconcelos, de 1989 a 1996.

Mariana de Melo Gonçalves
 | foto Diana Quintela/ Global Imagens
 | foto Diana Quintela/ Global Imagens
 | foto Diana Quintela/ Global Imagens
 | foto Direitos Reservados
 | foto Diana Quintela/ Global Imagens

Durante a sua vida a artista Joana Vasconcelos escreveu e utilizou cadernos para rabiscar e fazer apontamentos, criando o seu próprio mundo. A editora Urucum teve acesso a estes diários e juntamente artista plástica lançaram esta quarta-feira Os Cadernos da Minha Vida.

Para celebrar os seus 50 anos, Joana Vasconcelos encontrou-se com Lucia Bertazzo da editora Urucum. Quando se conheceram, Joana deixou claro que o mais importante e valioso no seu atelier eram os 50 cadernos A5 onde faz os seus desenhos, rabiscos, anotações e até colagens. Foi a partir dai que surgiu o projeto de ampliar e publicar os cadernos de forma luxuosa, avançou Lúcia Bertazzo, da Urucum, ao DN.

Cada um dos 10 livros possui uma tiragem limitada de 9 exemplares, acompanhado por um painel exclusivo de 12 azulejos e uma carta do escritor Valter Hugo Mãe.

Cada uma das dez edições de luxo está envolvida em caixas de grande formato (48 x 38 cm, o mesmo tamanho dos cadernos) e assinadas pela artista. A caixa do primeiro é feita de cortiça, a do segundo é feita de vidro e as outras são forradas com papel de parede com diferentes padrões. As páginas são de papel de fibra de bambu com 300 gramas e são totalmente feitas à mão.

O primeiro caderno é de 1989 e o décimo termina em 1996, estando representados sete anos da vida da artista de forma cronológica. Na primeira página está sempre a capa original do caderno digitalizada.

"Nós tentamos fazer que fosse o máximo idêntico ao caderno mas ampliamos para o dobro do tamanho. Tentamos reproduzir ao máximo, onde havia páginas rasgadas, rasgávamos também. Tentamos reproduzir exatamente como ela faz. A ideia de reproduzir o melhor possível", explicou Lúcia Bertazzo ao DN.

Ao mergulhar no mundo e nas ideias da artista, quase como uma biografia, é possível encontrar poemas abstratos, fotografias e até números de telefone, dando a conhecer mais da vida da artista. Nos cadernos estão fotos da Joana Vasconcelos mais nova e da sua primeira instalação.

"O mais interessante destes cadernos é que a gente tem acesso a todo o projeto criativo da Joana. Dá para ir acompanhando a evolução e os esboços que está no livro um que depois vemos desenvolvido no livro quatro", afirmou Lúcia.

A artista plástica esteve envolvida na maioria das decisões relacionadas com os livros, desde as páginas escolhidas ou preteridas, até aos desenhos que se tornaram nos painéis de azulejos. As maiorias das páginas originais estão presentes nas edições de luxo. Apenas saíram os esboços mal feitos e algumas páginas do final com listas telefónicas.

Depois de expostos na ArtsLibris da ARCOmadrid 2022, os 10 livros expostos estão agora no atelier da artista. No entanto, o objetivo é vendê-los com o painel de azulejo exclusivo por 3180 euros cada.

"A ideia aqui é democratizar um pouco a obra da Joana. Cada pessoa que levar um livro deste vai ter uma obra única. Os azulejos, por exemplo, não há cópias e são únicos", acrescentou a responsável pela editora Urucum.

Estes são apenas 10 dos 50 livros que Joana Vasconcelos tem da sua vida. Os restantes 40 estão ainda a ser pensados e trabalhos em futuros lançamentos.