Um livro sobre o "amor de mãe" e as tatuagens da guerra "na pele" dos portugueses

O autor João Cabral Pinto entusiasmou-se por aquilo que ficou gravado na pele dos combatentes da guerra colonial: tatuagens, feitas "por revolta, até por luto, pela morte de colegas" ou só "por imitação". Daqui, saiu um livro - "Guerra na pele - As tatuagens na guerra colonial" -, com retratos destes homens.

A célebre frase "amor de mãe" foi das mais tatuadas por soldados portugueses durante a guerra colonial, que usaram a tinta pintada no corpo por revolta ou luto por camaradas, segundo o livro "Guerra na pele - As tatuagens na guerra colonial".

João Cabral Pinto, 51 anos, licenciado gestão de empresas, tem uma paixão histórica pelo tema das tatuagens, embora não tenha nenhuma, passou 20 anos a fotografar e tentar fazer a história de centenas de homens que estiveram na guerra colonial (1961-1974) e que resultou no livro (edição de autor), com dezenas de fotos.

Depois de fazer milhares fotos, na rua, na praia, em encontros de militares, e centenas de entrevistas ao longo de 20 anos (perdeu cinco anos de trabalho devido a um problema informático), o autor explicou que a tatuagem teve, para estes homens, uma mistura de motivações, questões políticas, mas também muito pessoais e íntimas.

"É uma questão muito particular e não tem regra", afirmou à agência Lusa, e "muitos fizeram por revolta, até por luto, pela morte de colegas", fizeram-no "também por imitação". Mas muitos pintaram o corpo, em especial o braço e o antebraço, também por uma "questão da moda", de "vaidade e de exibicionismo, 'eu trago uma tatuagem, eu estive na guerra´", afirmou João Cabral Pinto.

O autor descreveu que muitos dos entrevistados revelaram "muita emoção" e "até lágrimas" quando mostraram as tatuagens e recordaram o que os levou a fazê-las. Depois de juntar tudo (fotos e entrevistas), a estatística das 350 tatuagens revelou que a palavra "amor" foi a palavra "mais tatuada" -- "amor de mãe", "amor de filhos", "é a ti que eu amo" ou ainda "dor é amor".

A explicação é simples e assim sintetizada por João Cabral Pinto: "Muitos dos homens que eu entrevistei disseram-me que nas principais situações de conflito de guerra quanto estavam aflitos era pela mãe que chamavam. E daí ser uma palavra chave deste tema."

E a remeter para a guerra, África, Deus há outras palavras-chave, como "Angola por ti lutei", "Adeus África", "Deus me guie", "Dor é amor, morte é sacrifício", "Quem ama sofre" ou ainda "A Pátria honrai, que a Pátria vos contemple".

No livro, as motivações são muitas e podem encontrar-se respostas tão desconcertantes como "amor", "dor", "desespero", "luto", "patriotismo"", "liberdade", "não sabe porquê" ou "excesso de álcool".

A lista dos porquês tem muitas razões que o autor enumera em frases retiradas das entrevistas, como por exemplo "fiz para marcar a vontade de servir o país", "fiz por ter orgulho em ser fuzileiro", "para me libertar do fascismo", "porque eu era contra a guerra", "por causa das namoradas", "se fosse abatido e ficasse irreconhecível, a tatuagem identificava-me" ou ainda "parvoíces da idade" e "fiz porque estava com os copos".

Esta "febre" das tatuagens, afirmou ainda, não teve paralelo em Portugal até à recente moda de pintar o corpo, dado que nessa década de 1960 e 1970 as tatuagens estavam ligadas a presidiários ou à prostituição.

Há ainda que ter em conta que quem as fazia, fazia-as, por vezes, a si próprio, com três agulhas e um copo com tinta da china, à margem da hierarquia militar e ficavam muitas vezes imperfeitas.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...