7 dias, 7 propostas por Rão Kyao

1. PASSEAR
Alto da Serra da Arrábida
Setúbal
Domingo, 18 de abril

É um sítio verdadeiramente extraordinário e que me fascina desde criança: o alto da serra da Arrábida.
A serra é um sítio que se tem mantido virgem tanto quanto possível, quer a a nível da invasão civilizacional quer de construção. A ida ao seu topo dá-nos uma visão extraordinária onde se avista desde a pedra da Anicha, em frente à praia, ao vale que apanha Setúbal, e ainda o outro lado com aquela praia enorme que vai até Sines.
E ainda do outro lado, com a visão para terra, temos uma vista que vai até Lisboa. Ao passar pela serra da Arrábida merece uma ida ao seu topo, parar e ficar um pouco por lá.
Sugiro a serra e também Setúbal porque gosto muito. É uma cidade que me fascina desde sempre. Tenho lá bons amigos e gosto de comer o peixe fantástico de lá.
E, evidentemente, quem vai a Setúbal é só virar à direita para entrar no mundo maravilhoso da Arrábida.

2. OUVIR
Maria João Pires
YOUTUBE
Concerto de Mozart por Maria João Pires e John Elliot Gardiner
Segunda, 19 de abril.



Sugiro ouvir música! Aconselho a procurarem no YouTube a nossa querida Maria João Pires a interpretar um concerto de Mozart com o Sir John Elliot Gardiner a reger. Só há esse vídeo e sugiro-o vivamente.
A Maria João Pires é de uma enorme sensibilidade, é uma poeta da música, uma intérprete extaordinária nos autores românticos, como Schubert, Chopin, Schuman.
Mas esta sua interpretação de Mozart é uma obra- prima, ainda por cima com o Sir Elliot Gardiner que é um regente muito conhecido que trabalhou com a orquesta de St. Martin, da qual sou grande fã.

3. COMER
Bacalhau
Restaurante O MAIA DO SAMEIRO
Sameiro
Braga
Terça, 20 de abril

Para mim Braga é a capital gastronómica de Portugal. O sítio onde se come melhor... à portuguesa.
E é onde ainda existem restaurantes com aquelas cozinheiras de carrapito à antiga e que cozinham muito bem.
A minha sugestão é um restaurante que fica no Sameiro, à esquerda da Igreja do Sameiro, que é conhecido pelo nome de O Maia do Sameiro.
Qualquer prato que sirvam nesse restaurante é muito bom, mas estando no norte não posso deixar de referir o bacalhau. É muito bom, está à frente do pelotão e a uma certa distância.

4. PROVAR
Vinhos do Dão
Adegas e quintas da Região vitivinícola do Dão
Viseu
Quarta, 21 de abril

Depois de Braga, recomendo uma visita à rota dos vinhos de Viseu que é absolutamente extraordinária. Sou particularmente fã dos vinhos da região do Dão. Aliás, adoraria ser enólogo como segunda atividade. Adorava pegar nas uvas e criar um vinho com as possiblidades que a natureza nos dá.
Pela região do Dão há vários locais a visitar, como São João da Lourosa, que tem uma quinta de um amigo que se chama Quinta dos Penassais.
Por ali também vale ir a Penalva do Castelo que tem um vinho excecional e mesmo em frente está Mangualde. E depois visitar o centro vitivinícola de Nelas que tem uma adega cooperativa e várias quintas. Ou então, visitar Vila Nova de Tazem onde existem vinhos excecionais.
Ir àquela zona não é só um passeio por locais com uma natureza lindíssima, é ir por ali, por aqueles locais, e ir provando a uva. É uma rota muito interessante.

5. LER
Tomáš Halík
Eu Quero que Tu Sejas de Tomáš Halík, editado em abril de 2016
Ed. Paulinas
Quinta, 22 de abril

Sugiro o livro de um grande teólogo que nasceu na antiga Checoslováquia e que passou pelo período da Cortina de Ferro e por todos aqueles processos revolucionários de então. Aliás, ele teve de se ordenar padre na clandestinidade.
Tomáš Halík é um homem que conhece muito bem a psicologia, a política, a situação da força governamental e a própria fé e que vai muito longe na sua análise teológica.
Tem um livro lindíssimo que se chama: Eu Quero Que Tu Sejas, com o subtítulo: Podemos Acreditar no Deus do Amor?
O autor, Tomáš Halík, sugere a procura de Deus nas manifestações de bem que o ser humano faz. Onde vemos um ato bom, altruísta, é onde está Deus, diz ele. Ele escreve sobre o entendimento de Deus a partir daí.
Acho uma visão muito interessante. Não é um livro para ler de seguida, mas para ir lendo e consultando.

6. VER
Exposição de Vivian Maier
Fotografia
Centro Cultural de Cascais
Sexta, 23 de abril

Aconselho vivamente a exposição de Vivian Maier que está no Centro Cultura de Cascais. Maier não era fotógrafa profissional mas sim ama de profissão, e era apaixonada por fotografia. Quando soube a sua história fiquei fascinado. Ela tem fotografias absolutamente extraordinárias que retratam a vida comum, das ruas, das pessoas. Gosto imenso do instantâneo, daquilo que surge no imediato. Ainda por cima a preto e branco e revelado à antiga: de forma analógica.
Gosto muito da fotografia a preto e branco e que consegue captar um certo e determinado momento. O fotógrafo é um captador das emoções e das situações da vida.
Recomendo esta exposição para este dia. Aliás, gosto muito do ambiente do Centro Cultural de Cascais independentemente da exposição que lá esteja.


7. RECORDAR
Ghandi, filme de 1982
Com Ben Kingsley e realizado por Richard Attenborough
Sábado, 24 de abril


Aconselho rever o filme sobre a história de Ghandi realizado pelo Sir Richard Attenborough, numa soberba interpretação de Ben Kingsley.
É um filme muito realista, que relata bem todas as pressões e tensões que Ghandi sofreu e ao mesmo tempo a sua atitude calma em relação às adversidades.
É uma mensagem de grande esperança a que recebemos desse filme e dessa figura.
Mesmo no final do filme tem a música que é considerada o hino de Ghandi. Chama-se Vaishnav Jan to Tene Kahiye e é um tema com uma mensagem espiritual de um autor do século XV. Uma música para a qual fui convidado pelo governo indiano a fazer a minha interpretação. O próprio filme é também uma oportunidade para ouvir a música que ficou para sempre ligada a Mahatma Ghandi.

Escolhas por Rão Kyao, músico e compositor

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG