Kevin McNally, ator de Piratas das Caraíbas, vai estar no Comic Con

O ator inglês e o norte-americano Anthony Carrigan, da série Barry são as mais recentes confirmações

A organização do Comic Con Portugal deu a conhecer as novidades num encontro com os media, esta terça-feira, e deixou no ar que irão existir mais novidades até ao início do evento, dia 12 de setembro .

Certa é a presença do ator inglês Kevin McNally no dia 13, 14 e 15 de setembro em painéis de perguntas e respostas, autógrafos e fotografias com os fãs. Conhecido pelo seu papel nos filmes Piratas das Caraíbas, no papel de Gibbs, amigo de Jack Sparrow - o pirata interpretado pelo ator Johnny Deep.

Desde 1976 que McNally está envolvido em várias produções televisivas. Mas foi em 1977, que o ator inglês McNally se estreou no grande ecrã, no papel do Ranger Crewman, no filme "007 - Agente Irresistível" (1977). E, depois de ter participado em mais de vinte longas-metragens, McNally entrou no elenco de "Piratas das Caraíbas", tendo sido dos poucos atores a participar em todos os filmes do franchising da Disney.

Confirmada também a presença do ator Anthony Carrigan, que interpreta o papel de NoHo Hank na série da HBO "Barry"- nomeada para 17 Emmys em 2019. Para além da série, o ator participou recentemente nas filmagens de dois filmes "Fatherhood" previsto para abril de 2020 e a comédia "Bill & Ted Face the music" que irá chegar às salas de cinema em agosto de 2020.

A 6ª edição do Comic Con começa no próximo dia 12 de setembro. E até 15 o Passeio Marítimo de Algés, em Oeiras vai receber o evento que espera receber mais visitantes que a edição anterior: 110 mil, segundo Pedro Rocha da organização do evento.

A edição de 2019 do Comic Con Portugal irá prestar homenagem a Stan Lee, criador de muitas histórias para a Marvel e responsável pela criação de alguns dos maiores super-heróis e vilões de banda desenhada. A homenagem começa com pórtico de entrada no recinto, que tem como pano de fundo a cidade imaginária de Nova Iorque, idealizada por Stan Lee.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?