Lagoa na Patagónia fica cor-de-rosa devido à poluição

Uma lagoa no sul da Argentina tornou-se cor-de-rosa brilhante num fenómeno impressionante, mas assustador, que os especialistas e defensores do ambiente atribuem à poluição por um produto químico utilizado para preservar os camarões para exportação.

A lagoa ficou cor-de-rosa na semana passada e manteve-se inalterada no domingo, disse o ambientalista Pablo Lada, que vive na cidade de Trelew, não muito longe da lagoa situada na Patagónia e a cerca de 1400 quilómetros a sul de Buenos Aires.

A cor é causada por sulfito de sódio, um produto antibacteriano utilizado na indústria pesqueira, cujos resíduos são culpados pela contaminação do rio Chubut que alimenta a lagoa de Corfo e outras fontes de água na região, dizem os ativistas.

Os residentes há muito que se queixam de maus cheiros e de outros problemas ambientais à volta do rio e da lagoa.

"Aqueles que deviam supervisionar são os que autorizam o envenenamento de pessoas", critica Pablo Lada à AFP, culpando o governo pela confusão.

O engenheiro ambiental e virologista Federico Restrepo disse à AFP que a coloração se devia ao sulfito de sódio nos resíduos de peixe, que por lei, devia ser tratado antes de ser despejado.

A lagoa, que não é utilizada para atividades recreativas, recebe o efluente do parque industrial de Trelew e já anteriormente tinha mudado para a cor fúcsia.

Mas os residentes da zona estão fartos. Nas últimas semanas, os residentes de Rawson, na vizinha Trelew, bloquearam estradas utilizadas por camiões que transportavam resíduos de peixe processado pelas suas ruas para estações de tratamento na periferia da cidade.

"Recebemos dezenas de camiões diariamente, os residentes estão a ficar cansados disso", disse Lada. Com Rawson interditado devido ao protesto, as autoridades provinciais autorizaram as fábricas a despejar os seus resíduos na lagoa de Corfo.

"A cor avermelhada não causa danos e desaparecerá dentro de poucos dias", disse à AFP o chefe do controlo ambiental da província de Chubut, Juan Micheloud, na semana passada.

Sebastián de la Vallina, secretário de planeamento da cidade de Trelew, discordou: "Não é possível minimizar algo tão grave".

As fábricas que processam peixe para exportação, principalmente camarão e pescada, geram milhares de empregos para a província de Chubut, lar de cerca de 600 mil pessoas.

Dezenas de empresas estrangeiras de pesca operam na zona, em águas sob a jurisdição da Argentina.

"O processamento do pescado gera trabalho... é verdade. Mas estas são empresas com lucros multimilionários que não querem pagar o frete para levar os resíduos para uma estação de tratamento que já existe em Puerto Madryn, a 55 quilómetros de distância, ou construir uma fábrica mais próxima", disse Lada.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG