Moreira acusa Tribunal de Contas de "matar o projeto" do Matadouro

Presidente da Câmara do Porto fala numa "intromissão inadmissível" que "extravasa competências", sem acolher "a separação de poderes", em reação à a recusa do visto prévio à empreitada por parte do TdC

A reconversão do antigo matadouro municipal do Porto é um dos principais projetos da autarquia de Rui Moreira, com vista à reconversão da zona oriental da cidade, e ainda há poucos dias tinha recebido os elogios públicos de Marcelo Rebelo de Sousa, durante uma visita do Presidente da República ao local. Mas o Tribunal de Contas comunicou a decisão de chumbar o projeto, que esperava apenas o visto prévio para avançar, motivando fortes críticas do presidente da CM Porto.

"A separação de poderes não é acolhida pelo Tribunal de Contas [TdC]. Este tribunal entende que pode extravasar as suas competências e tomar as suas decisões de acordo com uma perspetiva política, diria ideológica, que não encontra fundamento legal ou constitucional. O que deve preocupar o TdC não são as questões que se prendem com a oportunidade da escolha, mas o cumprimento da estrita legalidade da despesa" que, no caso, é claramente definida, concreta e balizada pelo concurso e contrato e "indubitavelmente menor do que qualquer alternativa", afirmou o independente Rui Moreira em conferência de imprensa na Câmara do Porto.

O autarca revelou que a autarquia "não deixará de apresentar recurso" relativamente ao projeto que é um 'game changer [alavanca de mudança]' da cidade e do país, pedindo ao Presidente da República, ao Parlamento e ao Governo que percebam ser impossível "governar uma cidade cumprindo a palavra dada ao eleitor se se continuar a permitir que órgãos não eleitos extravasem as suas funções e violem o princípio da separação de poderes".

O Tribunal de Contas (TdC) recusou o visto "ao contrato de empreitada" da Empresa Municipal (EM) Go Porto para a reconversão e exploração do Antigo Matadouro Industrial do Porto, uma obra de dois anos e 40 milhões de euros.

Em causa está a adjudicação à Mota Engil, vencedora do concurso público lançado pela Câmara do Porto, da "reconversão e exploração" do antigo matadouro, na freguesia de Campanhã, ali instalando "empresas", museus (o Museu da Indústria ficará lá sediado), reservas de arte, auditórios, espaços expositivos e equipamentos sociais".

"Estamos sempre disponíveis para ter ajuda. Estamos a pedir ajuda. É um pedido para que o PR, o Parlamento e Governo olhem para o que já foi referido na cimeira de Sintra relativamente à questão dos vistos prévios", explicou Rui Moreira, quando questionado pelos jornalistas sobre o apelo.

O presidente da câmara observou ainda que "não é possível governar uma cidade quando sucessivas entidades têm o direito de veto sobre decisões soberanas e legais do município".

Moreira criticou que a recusa de visto do TdC tenha sido dada "no último dia" do prazo, dizendo estar em causa "uma opção política". "Esgotar o tempo é, em si, um facto político", vincou.

O independente observou ainda que, "se era para chumbar o modelo", o TdC podia tê-lo feito em agosto, quando o processo lhe chegou às mãos. "Com isto, perderam-se seis meses", lamentou.

O autarca revelou que, na sexta-feira, o TdC comunicou a decisão à empresa municipal Go Porto e esta apenas hoje recebeu o acórdão com os fundamentos da decisão. Moreira disse desconhecer o documento, mas vincou estar em causa uma "intromissão inadmissível que põe em causa a soberania dos municípios".

Marcelo comparou projeto ao da Expo 98

Para o independente, as perguntas que foram feitas pelo TdC "são a prova inequívoca de que a separação de poderes não é acolhida" por aquele órgão. "Não pode o TdC assumir-se como uma 'troika' interna, com poderes arbitrários para permitir ou não permitir, a seu bel prazer, que os executivos municipais decidam com o que entendem ser as suas opções políticas", notou.

Moreira referiu-se ainda à instituição como "um tribunal que contabiliza os seus vistos prévios, como quem, no lugar da 'troika', se obriga a chumbar a vontade dos portuenses" e "dos portugueses".

"Quantas vezes mais uma Mota Engil estará disponível para se ocupar com um concurso, apresentar um projeto contratado ao arquiteto que assina o Estádio Olímpico de Tóquio, criar uma empresa própria, prestar caução e arriscar para, meses após ganhar, lhe dizerem que, afinal, alguém algures diz que não", questionou.

De acordo com o autarca, a câmara "não deixará de apresentar recurso, desde logo porque há responsabilidades contratuais junto do adjudicatário que foram incrementadas pelas exigências do TdC e que resultaram numa mera futilidade".

Moreira recordou que a reconversão do matadouro "foi unanimemente reconhecida como um projeto essencial para a regeneração urbana da zona oriental, transformando o edifício desativado há cerca de 20 anos num equipamento âncora de reabilitação urbana".

"O projeto é um motor para uma zona da cidade que sucessivamente o poder desvalorizou ou não foi capaz de promover. É um projeto de e para o Porto e da região. É um projeto nacional e inédito, pela capacidade de mudar o território. Creio que foi isso que o PR quis dizer ao compará-lo, na capacidade de mudar, à Expo 98".

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Crónica de Televisão

Cabeças voadoras

Já que perguntam: vários folclores locais do Sudeste Asiático incluem uma figura mitológica que é uma espécie de mistura entre bruxa, vampira e monstro, associada à magia negra e ao canibalismo. Segundo a valiosíssima Encyclopedia of Giants and Humanoids in Myth and Legend, de Theresa Bane, a criatura, conhecida como leák na Indonésia ou penanggalan na Malásia, pode assumir muitas formas - tigre, árvore, motocicleta, rato gigante, pássaro do tamanho de um cavalo -, mas a mais comum é a de uma cabeça separada do corpo, arrastando as tripas na sua esteira, voando pelo ar à procura de presas para se alimentar e rejuvenescer: crianças, adultos vulneráveis, mulheres em trabalho de parto. O sincretismo acidental entre velhos panteísmos, culto dos antepassados e resquícios de religião colonial costuma produzir os melhores folclores (passa-se o mesmo no Haiti). A figura da leák, num processo análogo ao que costuma coordenar os filmes de terror, combina sentimentalismo e pavor, convertendo a ideia de que os vivos precisam dos mortos na ideia de que os mortos precisam dos vivos.