Lisboa vai batizar rua com nome da brasileira Marielle Franco

Câmara aprovou por unanimidade homenagear a vereadora brasileira morta em 2018. Comissão de Toponímia vai decidir onde ficará a rua com o nome de Marielle Franco.

Lisboa terá uma rua batizada em homenagem a Marielle Franco, a vereadora do Rio de Janeiro assassinada a 14 de março do ano passado, quando seguia no seu carro depois de ter participado num debate organizado pelo Partido Socialismo e Liberdade com ativistas negras.

A decisão foi aprovada por unanimidade na reunião da Câmara Municipal de Lisboa desta quinta-feira, depois de analisada a proposta do vereador Manuel Grilo (Bloco de Esquerda e o responsável pelos pelouros da Educação e Direitos Sociais).

Caberá agora à Comissão Municipal de Toponímia apreciar esta proposta e propor qual a rua que se passará a chamar "Marielle Franco".

Socióloga, feminista, militante dos Direitos Humanos e crítica da atuação das forças de segurança no Rio de Janeiro, Marielle Franco empenhou-se na luta em defesa dos direitos das mulheres negras e dos moradores de favelas e periferias, e na denúncia da violência policial. Em 2016 tinha sido eleita vereadora para a legislatura 2017/20, com a quinta maior votação.

Em sua memória continua a ser mantido online o site que tinha promovido e onde agora, entre outras informações, está um contador que vai somando os dias passados desde que foi morta, juntamento com o seu motorista

Na sequência da investigação ao assassinato o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado - uma unidade especial de polícia - deteve e acusou um policia reformado, Ronnie Lessa, e um ex-polícia militar, Elcio Vieira de Queiro, de terem morto a vereadora e o motorista.

Exclusivos

Premium

Vida e Futuro

Formar médicos no privado? Nem a Católica passa no exame

Abertura de um novo curso de Medicina numa instituição superior privada volta a ser chumbada, mantendo o ensino restrito a sete universidades públicas que neste ano abriram 1441 vagas. O país está a formar médicos suficientes ou o número tem de aumentar? Ordem diz que não há falta de médicos, governo sustenta que "há necessidade de formação de um maior número" de profissionais.