Só uma minoria usa transportes públicos. Não são rápidos nem confortáveis

Na hora de se deslocarem, residentes nas áreas metropolitanas preferem automóveis. Apenas 11,1% das pessoas do Porto e 15,8% em Lisboa usam os transportes públicos e/ou coletivos como principal meio de transporte

Na hora de se deslocarem, os residentes das áreas metropolitanas de Lisboa (AML) e Porto (AMP) fazem-no de automóvel - e os transportes públicos são usados por uma imensa minoria, mais na capital que no Norte, revelam os resultados provisórios do Inquérito à Mobilidade nestas áreas metropolitanas. Quem escolhe o carro, fá-lo porque não tem boas alternativas.

De acordo com os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), relativos a 2017, o uso de transportes públicos está diretamente relacionado com a existência de várias possibilidades de meios de transportes.

A escolha do automóvel deve-se à falta de "rapidez" e de "conforto" dos transportes públicos (para metade ou mais dos inquiridos), seguidos "rede de transportes públicos sem ligação direta ao destino", "ausência de alternativa" e "serviços de transporte público sem a frequência ou fiabilidade necessárias" (com valores acima dos 25%)

No caso dos residentes no Porto, a escolha da viatura ligeira faz-se por ser mais "rápido" (para 58,4%) e ter mais "conforto" (49,8%). Em Lisboa, a opção da rapidez leva 62,5% a escolherem o carro e 50,4% pelo conforto.

O uso dos transportes públicos e coletivos (que são o autocarro, o comboio, o metropolitano, o barco, o transporte escolar ou de empresa e o táxi) acontece por exclusão de partes: 52,5% dos residentes na AMP e por 45,3% dos residentes na AML não conduzem ou não têm transporte individual.

A "ausência de alternativa" e o "preço/custo do transporte público" surgem imediatamente a seguir (49,5% e 37,9% na AMP e 43,1% e 35,7% na AML)

No Porto, onde apenas 11,1% das pessoas usam os transportes públicos e/ou coletivos como principal meio de transporte, os "valores mais elevados e acima da média metropolitana" encontram-se nos municípios do Porto (18,5%) e Gondomar (16,8%) e "em quatro municípios contíguos a estes dois territórios municipais", como refere o estudo: Matosinhos (13,8%), Valongo (13,3%), Vila Nova de Gaia (11,5%) e Maia (11,2%), todos eles servidos pela rede do metro do Porto e/ou por comboios suburbanos.

Por oposição, Oliveira de Azeméis (2%), São João da Madeira (2,1%), Vale de Cambra (4,8%), Santa Maria da Feira (5,3%) e Arouca (5,2%) são os municípios onde menos se usam transportes públicos e/ou coletivos.

Já em Lisboa, onde os números sobem para os 15,8% de utilizadores desses transportes como principal forma de se deslocarem, os valores sobem nos municípios de Lisboa (22,2%), Odivelas (19,4%), Almada (18,7%), Loures (18,5%), Barreiro (18,4%) e Amadora (18,2%), onde as alternativas são mais diversificadas. Do lado oposto estão os municípios de Sesimbra (6,2%), Mafra (6,8%) e Setúbal (7,1%).

Segundo o INE, "o transporte individual motorizado" é o principal meio de transporte utilizado - 69% na AMP e 59,8% na AML, no total - e, deste tipo de transporte, o automóvel é aquele que os cidadãos residentes nestes municípios preferem. De novo, mais os do Porto que os de Lisboa: o ligeiro de passageiros é principal meio de transporte nas deslocações em 67,6% dos casos na AMP e em 58,9% na AML. Nas deslocações nos dias úteis, o automóvel pesou 65,2% na AMP e 56,3% na AML, acrescenta o estudo.

Já o uso de "modos suaves" de mobilidade - pedonal ou bicicleta - é maior em Lisboa que no Porto: 18,9% na AMP e 23,5% na AML, percentagens semelhantes "às que se obtêm quando se consideram apenas os dias úteis".

O principal motivo das deslocações foi o trabalho, refere o inquérito: 30,3% do total na AMP e 30,8% na AML.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.