Só uma minoria usa transportes públicos. Não são rápidos nem confortáveis

Na hora de se deslocarem, residentes nas áreas metropolitanas preferem automóveis. Apenas 11,1% das pessoas do Porto e 15,8% em Lisboa usam os transportes públicos e/ou coletivos como principal meio de transporte

Na hora de se deslocarem, os residentes das áreas metropolitanas de Lisboa (AML) e Porto (AMP) fazem-no de automóvel - e os transportes públicos são usados por uma imensa minoria, mais na capital que no Norte, revelam os resultados provisórios do Inquérito à Mobilidade nestas áreas metropolitanas. Quem escolhe o carro, fá-lo porque não tem boas alternativas.

De acordo com os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), relativos a 2017, o uso de transportes públicos está diretamente relacionado com a existência de várias possibilidades de meios de transportes.

A escolha do automóvel deve-se à falta de "rapidez" e de "conforto" dos transportes públicos (para metade ou mais dos inquiridos), seguidos "rede de transportes públicos sem ligação direta ao destino", "ausência de alternativa" e "serviços de transporte público sem a frequência ou fiabilidade necessárias" (com valores acima dos 25%)

No caso dos residentes no Porto, a escolha da viatura ligeira faz-se por ser mais "rápido" (para 58,4%) e ter mais "conforto" (49,8%). Em Lisboa, a opção da rapidez leva 62,5% a escolherem o carro e 50,4% pelo conforto.

O uso dos transportes públicos e coletivos (que são o autocarro, o comboio, o metropolitano, o barco, o transporte escolar ou de empresa e o táxi) acontece por exclusão de partes: 52,5% dos residentes na AMP e por 45,3% dos residentes na AML não conduzem ou não têm transporte individual.

A "ausência de alternativa" e o "preço/custo do transporte público" surgem imediatamente a seguir (49,5% e 37,9% na AMP e 43,1% e 35,7% na AML)

No Porto, onde apenas 11,1% das pessoas usam os transportes públicos e/ou coletivos como principal meio de transporte, os "valores mais elevados e acima da média metropolitana" encontram-se nos municípios do Porto (18,5%) e Gondomar (16,8%) e "em quatro municípios contíguos a estes dois territórios municipais", como refere o estudo: Matosinhos (13,8%), Valongo (13,3%), Vila Nova de Gaia (11,5%) e Maia (11,2%), todos eles servidos pela rede do metro do Porto e/ou por comboios suburbanos.

Por oposição, Oliveira de Azeméis (2%), São João da Madeira (2,1%), Vale de Cambra (4,8%), Santa Maria da Feira (5,3%) e Arouca (5,2%) são os municípios onde menos se usam transportes públicos e/ou coletivos.

Já em Lisboa, onde os números sobem para os 15,8% de utilizadores desses transportes como principal forma de se deslocarem, os valores sobem nos municípios de Lisboa (22,2%), Odivelas (19,4%), Almada (18,7%), Loures (18,5%), Barreiro (18,4%) e Amadora (18,2%), onde as alternativas são mais diversificadas. Do lado oposto estão os municípios de Sesimbra (6,2%), Mafra (6,8%) e Setúbal (7,1%).

Segundo o INE, "o transporte individual motorizado" é o principal meio de transporte utilizado - 69% na AMP e 59,8% na AML, no total - e, deste tipo de transporte, o automóvel é aquele que os cidadãos residentes nestes municípios preferem. De novo, mais os do Porto que os de Lisboa: o ligeiro de passageiros é principal meio de transporte nas deslocações em 67,6% dos casos na AMP e em 58,9% na AML. Nas deslocações nos dias úteis, o automóvel pesou 65,2% na AMP e 56,3% na AML, acrescenta o estudo.

Já o uso de "modos suaves" de mobilidade - pedonal ou bicicleta - é maior em Lisboa que no Porto: 18,9% na AMP e 23,5% na AML, percentagens semelhantes "às que se obtêm quando se consideram apenas os dias úteis".

O principal motivo das deslocações foi o trabalho, refere o inquérito: 30,3% do total na AMP e 30,8% na AML.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)