Seis câmaras de vigilância na Praça do Comércio na passagem de ano

O Ministério da Administração Interna autorizou esta sexta-feira a utilização de um sistema de vigilância para a noite da passagem de ano na Praça do Comércio, em Lisboa

A PSP vai usar seis câmaras de vigilância na noite da passagem de ano na Praça do Comércio, em Lisboa, com o objetivo de "monitorizar e prevenir eventuais incidentes no local dos festejos", refere o Ministério da Administração Interna, que autorizou a utilização do sistema de vigilância.

Numa nota enviada à comunicação social, o Ministério explica que as seis câmaras de vigilância vão funcionar entre as 20:00 do dia 31 de dezembro, segunda-feira, e as 04:00 de 1 de janeiro. "Além da Praça do Comércio, toda a Avenida da Ribeira das Naus" vai ser monitorizada pelo sistema de vigilância, cuja "autorização foi precedida de parecer favorável da Comissão Nacional de Proteção de Dados".

PSP vai fazer revistas nas nove entradas que vão dar acesso à praça

Esta é uma medida ao dispor das autoridades para garantir a segurança na noite de festejos da passagem de ano na capital. No último dia de 2018, a PSP vai criar nove entradas para a Praça do Comércio à qual só terão acesso as pessoas que passem pela revista da polícia.

A polícia divulgou na manhã desta sexta-feira as medidas de segurança previstas para o dia 31 e os conselhos que pretende ver seguidos por quem quiser ir assistir aos concertos que terão lugar na praça: Daniel Pereira Cristo com Tatanka, João Só e Ana Bacalhau a partir das 22.00 e depois das 00.15, Richie Campbell, Dengaz, Mishlawi, Plutónio e DJ Dadda. Além do espetáculo pirotécnico à meia-noite.

A PSP anunciou que só vai deixar entrar na praça mochilas/bolsas com tamanho igual ou menor que uma folha de A3. Também não vai ser possível levar garrafas ou copos de vidro para dentro do recinto tal como chapéus de chuva com hastes compridas. Os restaurantes que estão na praça também não vão poder vender bebidas alcoólicas em copos de vidro, quem quiser beber pode comprar por um euro um copo reciclável e usá-lo durante a noite.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.