Seis câmaras de vigilância na Praça do Comércio na passagem de ano

O Ministério da Administração Interna autorizou esta sexta-feira a utilização de um sistema de vigilância para a noite da passagem de ano na Praça do Comércio, em Lisboa

A PSP vai usar seis câmaras de vigilância na noite da passagem de ano na Praça do Comércio, em Lisboa, com o objetivo de "monitorizar e prevenir eventuais incidentes no local dos festejos", refere o Ministério da Administração Interna, que autorizou a utilização do sistema de vigilância.

Numa nota enviada à comunicação social, o Ministério explica que as seis câmaras de vigilância vão funcionar entre as 20:00 do dia 31 de dezembro, segunda-feira, e as 04:00 de 1 de janeiro. "Além da Praça do Comércio, toda a Avenida da Ribeira das Naus" vai ser monitorizada pelo sistema de vigilância, cuja "autorização foi precedida de parecer favorável da Comissão Nacional de Proteção de Dados".

PSP vai fazer revistas nas nove entradas que vão dar acesso à praça

Esta é uma medida ao dispor das autoridades para garantir a segurança na noite de festejos da passagem de ano na capital. No último dia de 2018, a PSP vai criar nove entradas para a Praça do Comércio à qual só terão acesso as pessoas que passem pela revista da polícia.

A polícia divulgou na manhã desta sexta-feira as medidas de segurança previstas para o dia 31 e os conselhos que pretende ver seguidos por quem quiser ir assistir aos concertos que terão lugar na praça: Daniel Pereira Cristo com Tatanka, João Só e Ana Bacalhau a partir das 22.00 e depois das 00.15, Richie Campbell, Dengaz, Mishlawi, Plutónio e DJ Dadda. Além do espetáculo pirotécnico à meia-noite.

A PSP anunciou que só vai deixar entrar na praça mochilas/bolsas com tamanho igual ou menor que uma folha de A3. Também não vai ser possível levar garrafas ou copos de vidro para dentro do recinto tal como chapéus de chuva com hastes compridas. Os restaurantes que estão na praça também não vão poder vender bebidas alcoólicas em copos de vidro, quem quiser beber pode comprar por um euro um copo reciclável e usá-lo durante a noite.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.