PEV/Lisboa pede esclarecimentos sobre abate de árvores no Palacete Leitão

Estarão em causa espécies como "um dragoeiro monumental, um freixo, um cipreste e alguns jacarandás e castanheiros da Índia"

Os deputados municipais do Partido Ecologista Os Verdes (PEV) questionaram a Câmara Municipal de Lisboa sobre o abate de algumas árvores no Palacete Leitão, na freguesia de Avenidas Novas, em Lisboa​,​​​​​​ no âmbito do projeto de reabilitação do edificado para dar lugar a uma unidade de cuidados continuados.

Segundo a nota enviada às redações, o PEV refere que o projeto de arquitetura prevê "o abate de importantes exemplares arbóreos como um dragoeiro monumental, um freixo, um cipreste e alguns jacarandás e castanheiros da Índia".

Por isso, os deputados municipais verdes consideram que a Câmara Municipal de Lisboa "deve pugnar pelo total cumprimento" da recomendação do PEV que determina que o município da capital "pugnasse para que os novos projetos urbanísticos integrassem e respeitassem o património arbóreo existente, não permitindo qualquer abate indiscriminado".

Os verdes também questionam executivo liderado por Fernando Medina (PS) sobre se a Câmara Municipal de Lisboa já se pronunciou sobre a reabilitação e se está a "ponderar a reavaliação do projeto para o Palacete Leitão de forma a permitir a preservação destas árvores".

O palacete situado na Rua Marquês da Fronteira, foi propriedade do Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas (SBSI), esteve à venda por 18 milhões de euros em 2016, numa plataforma de compra de imóveis e vai ser convertido numa unidade de cuidados continuados.

Também está a ser construído um novo edifício nas imediações do palacete e o projeto já recebeu um parecer favorável condicionado da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC).

O palacete em si vai ser restaurado e adaptado para integrar as áreas administrativas sociais e acolhimento do centro de cuidados para idosos, segundo a projeto de arquitetura.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.