PEV/Lisboa pede esclarecimentos sobre abate de árvores no Palacete Leitão

Estarão em causa espécies como "um dragoeiro monumental, um freixo, um cipreste e alguns jacarandás e castanheiros da Índia"

Os deputados municipais do Partido Ecologista Os Verdes (PEV) questionaram a Câmara Municipal de Lisboa sobre o abate de algumas árvores no Palacete Leitão, na freguesia de Avenidas Novas, em Lisboa​,​​​​​​ no âmbito do projeto de reabilitação do edificado para dar lugar a uma unidade de cuidados continuados.

Segundo a nota enviada às redações, o PEV refere que o projeto de arquitetura prevê "o abate de importantes exemplares arbóreos como um dragoeiro monumental, um freixo, um cipreste e alguns jacarandás e castanheiros da Índia".

Por isso, os deputados municipais verdes consideram que a Câmara Municipal de Lisboa "deve pugnar pelo total cumprimento" da recomendação do PEV que determina que o município da capital "pugnasse para que os novos projetos urbanísticos integrassem e respeitassem o património arbóreo existente, não permitindo qualquer abate indiscriminado".

Os verdes também questionam executivo liderado por Fernando Medina (PS) sobre se a Câmara Municipal de Lisboa já se pronunciou sobre a reabilitação e se está a "ponderar a reavaliação do projeto para o Palacete Leitão de forma a permitir a preservação destas árvores".

O palacete situado na Rua Marquês da Fronteira, foi propriedade do Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas (SBSI), esteve à venda por 18 milhões de euros em 2016, numa plataforma de compra de imóveis e vai ser convertido numa unidade de cuidados continuados.

Também está a ser construído um novo edifício nas imediações do palacete e o projeto já recebeu um parecer favorável condicionado da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC).

O palacete em si vai ser restaurado e adaptado para integrar as áreas administrativas sociais e acolhimento do centro de cuidados para idosos, segundo a projeto de arquitetura.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.