Palacete Leitão em Lisboa vai ser unidade de cuidados continuados

Imóvel perto do Palácio da Justiça chegou a ser do Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas

O palacete na Rua Marquês da Fronteira, na freguesia de Avenidas Novas, em Lisboa, que chegou a ser propriedade do Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas (SBSI), esteve à venda por 18 milhões de euros em 2016, numa plataforma de compra de imóveis e vai ser convertido numa unidade de cuidados continuados. Vai ainda ser construído um novo edifício nas imediações do palacete e o projeto já recebeu um parecer favorável condicionado da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC).

O Palacete Leitão, que começou a ser construído em 1904 por encomenda do então joalheiro da monarquia portuguesa José Pinto Leitão, vai ser intervencionado nos espaços exteriores. De acordo com o documento, a que o DN teve acesso, em agosto o imóvel foi alvo de "diversas reformulações e mudança de proprietários ao longo do tempo" e sofreu as "alterações mais marcantes" na década de 70, quando transitou para o SBSI.

No final da década de 70 foi construído um edificado que comprometeu a visibilidade e "perceção do palacete ao nível da rua e a sua relação com os espaços exteriores", refere o documento, e que vai agora ser demolido.

A proposta de intervenção no espaço, que já contempla um parecer favorável condicionado da DGPC, propõe a "demolição de todas as construções envolventes" ao palacete, a "criação reinterpretada de todo o jardim de entrada" e a "reposição da sua visibilidade". Os jardins em torno do palacete vão ser reabilitados "de forma equilibrada", de modo a que "os espaços exteriores tenham uma imagem de jardim contemporâneo baseado na reinterpretação do desenho original desenvolvido para os espaços exteriores", dá conta o documento.

O novo edifício, que vai ser construído "junto à entrada", elevando-se num "desenvolvimento em 'L' lateralmente e no tardoz do palacete", vai ser uma "ala em que se concentrarão os quartos e áreas assistenciais" da unidade de cuidados continuados. O edificado vai ter três pisos, "nunca ultrapassando a altura máxima" do palacete, assegura a informação disponível no documento.

Quanto ao palacete em si, vai ser "objeto de conservação, restauro e adaptação à nova função, integrando as áreas administrativas sociais e de acolhimento" do centro de cuidados para idosos. A requalificação do imóvel também vai criar um estacionamento subterrâneo com 58 lugares e que vai ser "garantido por um piso em cave sob a nova edificação com acesso autónomo pelo exterior da propriedade".

O parecer feito pela Direção-Geral do Património Cultural, que o DN também consultou, vinca que o "estacionamento no subsolo não deverá afetar o equilíbrio hidrogeológico do local", ou seja, as obras não podem afetar o lençol freático comum ao jardim do Palacete Leitão e ao parque do Palacete Mendonça.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.