Lisboa vai proibir copos de plástico a partir de 2020

Verde, azul e amarelo. São estas as três cores de Lisboa para 2020. Para ser um exemplo, a capital tem de juntar a boa utilização da água, da reciclagem e da energia solar.

Os copos de plástico vão ser banidos de Lisboa até 2020. Este é um dos objetivos traçados pela Câmara Municipal de Lisboa para o ano em que a cidade será a Capital Verde Europeia. E, para o concretizar, a autarquia já contactou os comerciantes e as marcas de bebidas.

Esta é uma das iniciativas de Lisboa para marcar os 12 meses que os responsáveis pela autarquia querem transformar num exemplo para os países do sul da Europa, mostrando como é possível alterar hábitos e transformar a cidade numa urbe sustentável em que os autocarros vão ser movidos a energia solar, os grandes parques vão ter bacias de retenção de água (o que ajuda a controlar as cheias) e os jardins e as ruas serão, respetivamente, regados e lavadas com água reutilizada.

É num ambiente de alerta para o efeito das alterações climáticas proporcionado pela exposição Eco-Visionários: Arte, Arquitetura após o Antropoceno que o vereador responsável pelo Ambiente, Estrutura Verde, Clima e Energia da câmara lisboeta anunciou os diversos projetos apresentados na candidatura à nomeação da Capital Verde Europeia, distinção atribuída a Lisboa no final do mês de junho em Nijmegen (Holanda).

As cores de Lisboa

José Sá Fernandes foi o cicerone pelas salas onde, desde abril e até 8 de outubro, 35 artistas expõem as suas ideias críticas e visões sobre as alterações climáticas e o seu impacte. Esta exposição está disponível no Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia e conta com quatro secções onde se fala do "Desastre", "Coexistência", "Extinção" e "Adaptação".

Salas que serviram de mote para os três destaques de cor que o vereador salienta quando se refere à Capital Verde Europeia: amarelo, verde e azul. Cada uma representa um ponto de sustentabilidade: a energia solar (amarelo), os jardins e a biodiversidade (verde), a reutilização da água e a reciclagem (azul). Tudo apostas com um objetivo comum que vai além de 2020: em 2050 Lisboa será uma cidade descarbonizada, ou seja terá reduzido ou suprimido as fontes de energia emissoras de dióxido de carbono e de outros gases com efeito de estufa.

Uma das garantias que a autarquia deu - na exposição do presidente Fernando Medina na defesa da candidatura - foi a de ir usar a energia solar. "Uma das promessas foi que em Lisboa queremos aproveitar o sol e, assim, trocar o combustível fóssil pela energia solar. Vamos produzir energia para abastecer veículos elétricos", explicou Sá Fernandes, lembrando que entre os novos 200 autocarros que vão integrar a frota da Carris até 2020, cerca de 20 vão usar este tipo de energia, e a maioria dos restantes será movido a gás natural. E alguns das carreiras de autocarros vão ser substituídas pelo elétrico.

"Vamos produzir 2 a 4 MW, [numa central fotovoltaica que ficará no aterro do Vale do Forno] o projeto e a autorização da Direção-Geral de Energia. Essa energia vai para os novos autocarros e para os veículos ligados à higiene urbana [neste caso 50]", sublinhou acrescentando ter esperança de que a chegada das duas centenas de autocarros para a Carris - que em 2030 já poderá ter toda a frota abastecida com energia solar - represente também "menos carros na cidade". "Não é fácil, mas é plausível de se conseguir", garantiu.

Outra das propostas envolve o Metropolitano: "Estamos a falar com o Metro para conseguirmos introduzir energia solar diretamente na sua rede, não dá para a rede contínua, mas ajuda no autoconsumo."

A estas iniciativas na área da mobilidade juntam-se os 90 km de ciclovias e os 60 ainda em projeto ou construção, o projeto Giras, que já tem dez mil passes mensais vendidos e a mobilidade partilhada: bicicletas, motos e veículos elétricos.

Efeito medusa

Um dos filmes a que os visitantes da exposição Eco-Visionários podem assistir está relacionado com a capacidade da medusa se renovar ao contrário do ser humano que pode desaparecer devido às consequências do aquecimento global nos ecossistemas.

E é na referência a esta espécie que Sá Fernandes recorre para falar do segundo ponto da Lisboa Capital Verde Europeia: os jardins, parques, biodiversidade. "Lisboa tem 200 hectares de espaços verdes e vamos construir mais 200 até 2020, e nessas zonas podemos fazer bacias de retenção de água. Podemos ter aí zonas silenciosas. Assim, estamos a tentar diminuir o calor", adiantou Sá Fernandes.

"Só com estas intervenções podemos combater o efeito medusa. Para isso, temos as apostas no Vale de Alcântara, no Vale da Ameixoeira, o Aterro do Vale do Forno, o Vale da Montanha, a Praça de Espanha, a operação de Entrecampos. Lisboa vai mostrar que podemos ter mais biodiversidade com menos água e urbanizações com mais verde", frisou.

Uma aposta nos espaços verdes onde cabe, lembrou o vereador responsável pelo ambiente, o projeto Uma Praça em Cada Bairro, que é "muito importante e ajudou a valorizar a candidatura". Tal como outro trunfo da cidade: "Temos três herbários [Jardim Botânico, Museu Nacional da História Natural e da Ciência e Instituto Superior de Agronomia] e eu não conheço nenhuma capital com tantos."

Reutilizar água

O terceiro destaque tem a cor azul que neste caso se refere à água e à higiene urbana. Aqui, Lisboa apresentou ao júri europeu os projetos de reutilização de água para lavar as ruas e regar os jardins da capital. Nesta terça-feira, Sá Fernandes lembrou que já existem experiências nesse sentido e que os responsáveis da autarquia têm como meta que, em 2030, 25% da água utilizada pelos serviços da câmara provenha dessa origem.

Entre as iniciativas que destacou neste âmbito está um projeto implementado no Bairro Padre Cruz, onde a água usada para lavar loiça, por exemplo, é reutilizada. E a despoluição do rio Tejo, em que foi "conseguido que grande parte dos despejos sejam tratados".

No setor da higiene urbana - a outra parte do azul -, o vereador adiantou que em 2020 não serão permitidos copos de plásticos nos estabelecimentos comerciais de Lisboa. "Já falámos com as marcas e com os comerciantes. A partir dessa data o é o fim dos copos de plástico na cidade", frisou acrescentando que também já existem conversas com o governo, nomeadamente o Ministério do Ambiente, sobre o assunto. Medida que é também uma forma de diminuir o plástico recolhido na capital - em 2017 passado foram recicladas 11.338 toneladas de plástico.

Em 2017 passado foram recicladas 11.338 toneladas de plástico

Outra das iniciativas será a distribuição de blocos de compostagem doméstica e a tentativa de aproveitar os óleos e as latas deitadas fora para serem valorizados. Além de premiar quem opte pela reciclagem como os comerciantes que poderão ter uma redução de algumas taxas se o fizerem.

Todos estes projetos, nas várias valências, vão envolver diversas entidades - por exemplo, o MAAT, a EDP, a GALP, as Organizações não Governamentais, Fundação Calouste Gulbenkian, os jardins botânicos, a EPAL, Águas do Atlântico ou Valorsul - e ser alvo de campanhas de divulgação. "A EGEAC também vai adaptar as festas de Lisboa à Capital Verde Europeia", sublinhou Sá Fernandes que garantiu que todas estas iniciativas - como exposições ou conferências - não vão levar a câmara a "gastar mais dinheiro, só temos de adaptar o que há à Capital Verde".

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.

Igreja Católica

Premium Quando Deus dá poder para o crime

O número três do Vaticano está acusado de abuso sexual na Austrália, o número dois é suspeito de encobrimento num processo em França, no Chile há rusgas ao bispado e o relatório da Pensilvânia choca o mundo. Mais de 20 anos após os primeiros escândalos de abuso sexual de menores terem abalado a Igreja Católica, a dimensão do crime e do seu encobrimento continua a surpreender. Há redenção possível para uma organização que propicia tais horrores?