Arqueólogos desenterram esqueletos, uma rua e um gato em Cacela Velha

Projeto da Universidade do Algarve com a Direção Regional de Cultura do Algarve e o Município de Vila Real de Santo António permitiu saber mais um pouco sobre necrópole algarvia

O cemitério medieval do bairro Almóada dos séculos XII e XIII revelou-se mais um pouco. Escavações arqueológicas no mês de julho revelaram 10 esqueletos humanos, uma rua e um gato no sítio do Poço Antigo, em Cacela Velha, Vila Real de Santo António.

"Nesta campanha arqueológica, foram exumados 10 esqueletos humanos pertencentes à geração dos povoadores cristãos da região, após a conquista do Algarve aos mouros, em 1249", pode ler-se numa nota no site da câmara municipal de Vila Real de Santo António. No total, "somam-se assim 66 sepulturas escavadas e 86 indivíduos identificados neste cemitério da época medieval". Foi ainda descoberta uma rua principal, que poderia atravessar este conjunto habitacional, ligando a zona portuária a uma das entradas do bairro.

O Poço Antigo fica fora das muralhas de Cacela, numa Zona Especial de Proteção do Núcleo Histórico de Cacela-a-Velha, classificado como Imóvel de Interesse Público, desde 1996.

O projeto arqueológico é fruto de uma colaboração entre a Direção Regional de Cultura do Algarve (DRCAlg), a Universidade do Algarve (UAlg) e o Município de Vila Real de Santo António, com a participação da universidade canadiana Simon Fraser University (SFU). A coordenação ficou a cargo de Cristina Tété Garcia (DRCAlg), Maria João Valente (UAlg) e Hugo Cardoso (SFU).

As escavações duraram quatro semanas e foram antecedidas por uma formação na Universidade do Algarve. Segue-se a limpeza do local, a elaboração de um inventário e o estudo dos materiais que ficarão na Universidade do Algarve e no Centro de Informação e Interpretação do Património de Cacela do Município de Vila Real de Santo António. Em 2019, está prevista a continuação das escavações.

O DN tentou contactar os coordenadores pelas escavações arqueológicas, sem sucesso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.