Arqueólogos desenterram esqueletos, uma rua e um gato em Cacela Velha

Projeto da Universidade do Algarve com a Direção Regional de Cultura do Algarve e o Município de Vila Real de Santo António permitiu saber mais um pouco sobre necrópole algarvia

O cemitério medieval do bairro Almóada dos séculos XII e XIII revelou-se mais um pouco. Escavações arqueológicas no mês de julho revelaram 10 esqueletos humanos, uma rua e um gato no sítio do Poço Antigo, em Cacela Velha, Vila Real de Santo António.

"Nesta campanha arqueológica, foram exumados 10 esqueletos humanos pertencentes à geração dos povoadores cristãos da região, após a conquista do Algarve aos mouros, em 1249", pode ler-se numa nota no site da câmara municipal de Vila Real de Santo António. No total, "somam-se assim 66 sepulturas escavadas e 86 indivíduos identificados neste cemitério da época medieval". Foi ainda descoberta uma rua principal, que poderia atravessar este conjunto habitacional, ligando a zona portuária a uma das entradas do bairro.

O Poço Antigo fica fora das muralhas de Cacela, numa Zona Especial de Proteção do Núcleo Histórico de Cacela-a-Velha, classificado como Imóvel de Interesse Público, desde 1996.

O projeto arqueológico é fruto de uma colaboração entre a Direção Regional de Cultura do Algarve (DRCAlg), a Universidade do Algarve (UAlg) e o Município de Vila Real de Santo António, com a participação da universidade canadiana Simon Fraser University (SFU). A coordenação ficou a cargo de Cristina Tété Garcia (DRCAlg), Maria João Valente (UAlg) e Hugo Cardoso (SFU).

As escavações duraram quatro semanas e foram antecedidas por uma formação na Universidade do Algarve. Segue-se a limpeza do local, a elaboração de um inventário e o estudo dos materiais que ficarão na Universidade do Algarve e no Centro de Informação e Interpretação do Património de Cacela do Município de Vila Real de Santo António. Em 2019, está prevista a continuação das escavações.

O DN tentou contactar os coordenadores pelas escavações arqueológicas, sem sucesso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.