"Passadeiras arco-íris" não têm parecer técnico da câmara

A diretora municipal da mobilidade da autarquia lisboeta informou os presidentes de Junta de Freguesia que qualquer alteração deverá ser submetida ao parecer técnico dos serviços da autarquia

Emília Velasco, diretora municipal da mobilidade da Câmara Municipal de Lisboa, informou os presidentes de Junta de Freguesia da cidade que as denominadas "passadeiras arco-íris" que foram instaladas pela Junta de Campolide não são regulamentares, razão pela qual solicita que "qualquer alteração que se entenda por bem fazer, deverá previamente ser submetida ao parecer técnico dos serviços desta Direção Municipal".

Nessa mesma informação, é explicado que compete à Câmara Municipal de Lisboa aprovar a sinalização vertical e horizontal, de acordo com os requisitos técnicos e em conformidade com o estipulado nos regulamentos em vigor".

Na prática, a Direção Municipal da Mobilidade está em sintonia com a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), que já pediu à Junta de Campolide que retire as duas passadeiras com as cores do arco-íris, alusivas à comunidade Lésbica, Gay, Bissexual e Transgénero (LGBT), por não se enquadraram no Regulamento de Sinalização de Trânsito.

Exclusivos