The Gift em concerto solidário com a Madeira

Todos os lucros revertem para as vítimas desalojadas pelos incêndios de agosto. O evento realiza-se no dia 9 de setembro

Os The Gift apresentam-se na Madeira, no Parque de Santa Catarina, no Funchal, num evento solidário na sequência dos incêndios que devastaram a ilha no passado mês de agosto.

Nuno Gonçalves comentou através do Facebook da banda: "Estávamos muito a Norte para mais um espetáculo. Montalegre. A banda estava feliz, mais uma praça cheia... Antes de entrar em palco, o Paulo Bismarck chama-me à parte e diz-me "A Madeira está a arder..." Eu digo que tudo se resolverá... Ele faz uma cara de preocupação e mostra-me uma foto. Fiquei de rastos, uma foto que valia por tudo. Quase que se conseguiam ouvir os gritos das pessoas. Uma foto de tão real que era que se conseguia perceber o desespero das pessoas... De imediato lembrei-me do nosso grande amigo Ricardo Campos. No dia seguinte envio-lhe uma mensagem. Responde de imediato a dar conta do caos que se vivia. De pronto respondi: "Conta connosco para ajudar!"

Dias depois a banda marcou o espetáculo: "A Madeira sempre nos tratou tão bem que hoje sentimos que é urgente retribuir. Dia 9 de Setembro todos juntos, com olhos no futuro faremos uma noite histórica. Que apareçam todos. Vamos ajudar. Por que a Madeira precisa e sobretudo porque a Madeira merece o melhor."

O evento realiza-se no dia 9 de setembro e o recinto abre às 20.00, sendo que o primeiro concerto da banda madeirense Dul N'Nuok White começa às 21.30, seguindo-se depois a atuação dos The Gift às 23.00.

Os bilhetes custam 10 euros e a totalidade das entradas reverte para uma conta aberta pela Câmara Municipal do Funchal para todos os desalojados pelos incêndios na ilha da Madeira. Além do valor dos bilhetes, 50% das vendas dos merchandise da banda também reverte para os desalojados.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.