Não vá dormir na rua à espera de Bieber

O concerto do músico canadiano Justin Bieber, na próxima sexta-feira, em Lisboa, está esgotado, segundo a promotora Everything is New, que aconselhou hoje a não realização de pernoitas, junto à Meo Arena, "por motivos de segurança".

"Aconselha-se à não instalação de tendas, colocação de sacos cama e pernoita na via pública, nas imediações da Meo Arena", informou a promotora, acrescentando "que as deslocações para o concerto devem ser realizadas apenas no dia 25 de novembro, a partir das 09:00".

A 11 de março de 2013, quando Bieber atuou em Portugal pela primeira vez, mais de uma centena de fãs acamparam em frente ao antigo Pavilhão Atlântico, durante três dias, para garantirem um lugar nas primeiras filas do concerto.

"Considerando as condições climatéricas adversas previstas, designadamente chuva e frio, recomenda-se que não haja ajuntamento e pernoitas no local. Aconselha-se ainda a utilização de roupa quente adequada às condições, bem como calçado apropriado e confortável para quem decidir chegar mais cedo no dia 25 de novembro", acrescentou a Everything is New.

O concerto de sexta-feira, em Lisboa, será o último espetáculo da digressão "Purpose World Tour", que teve início no passado dia 14 de setembro, em Berlim, na Alemanha.

Justin Bieber faz furor junto dos fãs desde criança, tendo aos 12 anos ficado em segundo lugar num concurso de talentos em Stratford, na Canadá.

A família partilhou os vídeos na Internet e, em pouco tempo, Justin Bieber conheceu um dos seus ídolos, Usher, assinou contrato discográfico e gravou o primeiro álbum, "My world".

Em todo o mundo há uma legião de fãs - que se autointitulam "beliebers" - e "paparazzi" que seguem os passos do jovem músico.

O seu mais recente álbum de estúdio, "Purpose", dominou as listas de vendas, desde o final do ano passado, à semelhança dos primeiros 'singles', batendo recordes em todo o mundo, incluindo as 17 músicas que conseguiu ter em simultâneo na conhecida tabela Americana "Billboard Hot 100", numa única semana, ultrapassando os Beatles e Drake.

A estes números junta-se ainda o recorde no Spotify, com 200 milhões de audições em 'streaming' de "Purpose", na primeira semana de lançamento.

No início deste mês, o cantor canadiano voltou a dominar os prémios de música MTV Europe 2016, com os galardões de melhor canção ("Sorry"), melhor artista canadiano e o de melhores fans.

Justin Bieber recebeu, durante seis vezes seguidas, o prémio de melhor artista masculino da MTV Europe (2010-2015), e este ano conquistou o primeiro Grammy, com "Purpose", eleito o melhor disco de dança.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?