No fundo Portugal é mar. E nós podemos dar um mergulho

Há uma baleia no jardim. E faróis que iluminam as oliveiras. E há imagens espetaculares do fundo do mar. Até julho, a Fábrica das Artes do CCB tem um ciclo dedicado ao oceano.

De longe parece mesmo o esqueleto de uma baleia. Mas à medida que nos aproximamos, percebemos que não são ossos. São embalagens de iogurtes e de detergente, em plástico branco. A Baleana plasticus é uma escultura criada em 2014 pela bióloga Ana Pêgo e o fotógrafo Luís Quinta e que agora está instalada no Jardim das Oliveiras do Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa. Está ali, ao lados dos faróis da exposição As portas do mar, chamando a atenção para o ciclo "No fundo Portugal é mar", que vai ocupar a Fábrica das Artes nos próximos meses. Mas, mais do que isso, está ali chamando a atenção o problema da poluição dos oceanos e, especificamente, para o excesso de plástico.

Bióloga marinha, nos últimos anos Ana Pêgo tem-se dedicado à educação ambiental e passa muito do seu tempo recolhendo o plástico que aparece na praia, trazido pelas marés. "A minha preocupação com o lixo marinho foi aumentando", conta. No final de 2015 criou a página de Facebook Plasticus Maritimus para mostrar as coisas que ia encontrando na praia e também para pedir ajuda para identificar esses objetos. "Deixei de olhar para o lixo da praia como lixo mas antes como objetos com história, que já fizeram viagens", explica. Esses objetos são usados nas oficinas que orienta por estes dias no CCB, porque o mais importante agora é informar as pessoas do mal que estamos a fazer ao oceano e educá-las para o ambiente.

Expostos em vitrinas, organizados por cores ou por "famílias", os objetos apanhados na praia não deixam de causar espanto. Pauzinhos de cotonetes (porque as pessoas deitam nas sanitas). As palhinhas. Os balões. "São coisas que não noz fazem realmente falta no nosso dia a dia e são muito prejudiciais. Encontro centenas de bocados de balões, porque rebentam ficam no chão, acabam por ir parar às sarjetas com a chuva e daí para o mar." Bonecos pequenos. Patilhas dos protetores solares. Peças de lego. Flores artificiais. "Estas coisas podem parecer bonitas mas são um manifesto", diz Ana Pêgo.

Toda a programação deste ciclo - que inclui exposições, espetáculos, oficinas e conversas (ver coluna ao lado) - foi concebida em conjunto com a Estrutura de Missão para a Extensão da Plataforma Continental . Só assim foi possível ter acesso não só às imagens do fundo do mar como também à réplica do laboratório de campanha e ainda contar com a colaboração dos vários especialistas nestas atividades. "Esta programação tem três eixos: a educação ambiental, a ciência e a a criação artística", explica Madalena Wallenstein, programadora da Fábrica das Artes.

Um dos melhores exemplos dessa interligação é a instalação Terramar: a partir das imagens captadas pelo robot ROV, que vai até seis mil metros de profundidade e tem feito campanhas ao longo da costa portuguesa, e também imagens captadas por mergulhadores, a artista Graça Castanheira criou "quadros vivos" que nos levam literalmente até ao fundo do mar. Oportunidade para conhecer algumas espécies que habitam as profundezas, para nos deliciarmos com imagens do oceano - e também para suspendermos um pouco a nossa vida e deixarmo-nos levar, durante alguns minutos, pelo silêncio e pelo embalo das ondas.

PROGRAMA

As portas do mar e Balaena plasticus
Rui Rebelo imaginou estes faróis, com a colaboração de Marco Fonseca e Teresa Varela. As pessoas podem sentar-se, relaxar e ouvir os sons do mar. E também ver a baleia feita de detritos de plástico encontrados na praia, uma obra de Ana Pêgo e Luís Quinta, de 2014.
Jardim das Oli veiras, até 31 julho

Terramar - instalação de Graça castanheira
A partir das muitas horas de imagens captadas pelo ROV Luso, um robot que tem andado a mergulhar pelo mar português, Graça Castanheira criou duas peças : um tríptico que nos leva para o fundo do mar e uma exposição com "quadros vivos".
Fábrica das Artes, até 31 julho

Oficinas de palavras, dança e ambiente
Durante este três meses, a Fábrica das Artes tem programadas uma série de oficinas "à volta" do mar - para escolas mas também para famílias, ao fim de semana. Por exemplo com a bióloga e escritora Judite Canha Fernandes.
Fábrica das Artes, maio e junho

Um espetáculo: A menina do mar
Em 2011, Bernardo Sasseti e Beatriz Batarda fizeram uma Menina do Mar. A partir da música original de Sasseti e da história de Sophia, o pianista Filipe Raposo, a atriz Carla Galvão e a ilustraram Beatriz Bagulho criaram este espetáculo
Pequeno Auditório, 19-25 maio

Ciclo de conversas com o mar ao fundo
A chef de cozinha Patrícia Borges, a peixeira Tânia Silva, o investigador João Varela, os pilotos ROV Andreia Afonso e António Calado, o mergulhador Nuno Rodrigues e o pescador António Figueira são alguns dos palestrantes convidados
Jardim das Oliveiras, maio-julho

Concertos e contos no jardim
Rita Maria e Filipe Raposos trazem Canções da Terra e do Mar (30 junho), Rui Rebelo e Carla Galvão fazem um Concerto co Faróis (14 e 15 julho). E mais sessões de estórias e de músicas, sempre ao ar livre.
Jardim das Oliveias, junho-julho

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.