Como Ney Matogrosso continua 'Atento aos Sinais'

Artista brasileiro de 72 anos apresenta em Lisboa e no Porto concerto baseado no novo disco e um documentário, 'Olho Nu'.

O brasileiro Ney Matogrosso é constantemente abordado por jovens músicos que lhe oferecem gravações para ele ouvir e pedem conselhos para alcançar sucesso na sua carreira. Ney, 72 anos, e mais de 40 anos de carreira musical, ouve tudo mas é parco em palavras: "Eu não dou conselho a ninguém. A única coisa que eu posso dizer é: faça, mostre. A indústria não existe mais, a televisão não dá espaço, a rádio cobra para tocar, então eu digo: façam onde vocês puderem, onde der, na rua, em qualquer lugar, mas mostrem o vosso trabalho."

De vez em quando, quando algum desses músicos novos lhe desperta a atenção, Ney Matogrosso pode muito bem decidir cantar um dos seus temas. É o que acontece em Atento aos Sinais, o disco que lançou no ano passado. Neste trabalho, além de intepretar alguns dos seus compositores preferidos, como Arnaldo Antunes, Lenine, Pedro Luís ou Paulinho da Viola, Ney Matogrosso orgulha-se de apresentar novos músicos, como Vítor Ramil, o grupo Tono, os Zambomba ou Vítor Pirralho. "Eles são conhecidos só regionalmente, não são no país todo, então eu estou botando tudo no embrulho e tocando para as pessoas conhecerem. Por isso acho que estou dando um passo à frente na música brasileira."

Em Portugal, esta semana, Ney Matogrosso vai apresentar o espetáculo baseado neste disco - amanhã e quinta no Coliseu dos Recreios, em Lisboa, e no sábado, no Coliseu do Porto.

Veja Ney Matogrosso a cantar em palco Fico Louco:

A par dos concertos, o músico vem apresentar em antestreia o documentário Olho Nu, realizado por Joel Pizzini a partir do arquivo pessoal de imagens de Ney Matogrosso. O filme, que se estreia no dia 15 no Brasil, vai ser apresentado nos dias 8 e 9, às 21.30, no Cineclube do Porto e no dia 12, na Talkfest do ISEG, em Lisboa, seguido de uma conversa com Ney.

Leia mais no e-paper do DN

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.