Morreu Phife Dawg, fundador de A Tribe Called Quest

Não se conhece a causa de morte do músico, aos 45 anos. Era membro do grupo que lançou álbuns icónicos de hip-hop nos anos 1990

O artista de hip-hop conhecido como Phife Dawg, membro fundador do grupo nova-iorquino A Tribe Called Quest, morreu aos 45 anos, escrevem a Rolling Stone e a Billboard esta quarta-feira.

Não foi indicada a causa da morte do músico, cujo nome verdadeiro era Malik Taylor, mas este sofria de diabetes há vários anos. Um membro do grupo disse em 2008 que Phife Dawg tinha recebido um transplante de rim.

A comunidade do hip-hop está de luto pela morte de Phife Dawg, e multiplicam-se os tributos nas redes sociais à sua influência no mundo da música rap e hip-hop dos anos 1990. Nessa década, o grupo A Tribe Called Quest lançou álbuns como The Low End Theory e Midnight Marauders. Phife Dawg lançou um álbum a solo em 2000.

"Phife - Guerreiro da palavra Hip-hop e Rap, tão simples quanto isso", escreveu no Twitter o membro dos Public Enemy conhecido como Chuck D.

O comediante Chris Rock, o produtor musical Russell Simmons e o baterista e produtor Questlove, do grupo The Roots, também escreveram tributos a Phife nas redes sociais.

O último álbum de estúdio de A Tribe Called Quest foi lançado em 1998.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.