Philip Roth venceu Prémio Príncipe das Astúrias

O escritor norte-americano Philip Roth ganhou o prémio Príncipe das Astúrias das Letras 2012.

O autor, nascido em Newark, Nova Jérsia (EUA) em 1933, oriundo de uma família de origem judia, é considerado um dos melhores escritores norte-americanos dos últimos 25 anos, apontado várias vezes como possível vencedor do Nobel da Literatura.

Eram 24 os candidatos ao galardão, entre eles o escritor português António Lobo Antunes.

O prémio das Letras, uma escultura de Joan Miró e 50 mil euros, é o quinto a ser atribuído este ano. Foram já atribuídos os prémios de Ciências Sociais (Martha Nussbaum), Artes (Rafael Moneo), Comunicação e Humanidades (Shigeru Miyamoto) e Investigação Científico (Richard Lerner).

Gonzalo Torrente Ballester, Mario Vargas Llosa, Camilo José Cela, Doris Lessing, Arthur Miller, Paul Auster, Amin Maalouf e Leonard Cohen foram alguns dos vencedores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.