Justin Bieber ainda clama por redenção

Músico apresentou a sua Purpose World Tour para mais de 18 mil pessoas na MEO Arena

Os ponteiros do relógio ainda não apontavam as nove horas da noite quando Justin Bieber surge dos céus dentro de uma jaula de vidro. Enclausurado enquanto cantava Mark My Words, sob o olhar atento das mais de 18 mil pessoas que esgotaram há mais de um ano o concerto que assinalou o regresso do cantor à MEO Arena, em Lisboa, três anos depois da sua estreia em palcos portugueses.

"Mark my words, that"s all that I have", cantava Bieber, um tema que é claramente de redenção e na verdade toda a postura do músico em palco corrobora com essa necessidade que tem vindo a mostrar desde que em 2015 regressou à música, depois de uma pausa mediática que se sucedeu a um mar de acontecimentos controversos que fizeram as delícias da imprensa mais sensacionalista.

Os poucos momentos em que interagiu com o público vão ao encontro desse clamar por redenção, que teve o seu auge antes do primeiro encore, com Purpose, a canção que dá título ao álbum que editou há sensivelmente um ano e que o transformou numa estrela pop que vai muito além do fenómeno puramente juvenil.

No entanto, o público que o admira com devoção não parece sentir qualquer necessidade de redimir Bieber. Basta a sua presença física para que tudo fique ganho. O próprio tem essa consciência, ou não se preocupasse minimamente em muitos momentos fingir sequer que cantava por cima da sua voz pré-gravada, mais preocupado em acompanhar a sua trupe de dançarinos e a caminhar pelo palco no meio de um espetáculo grandioso.

Bieber parece viver num impasse, entre o artista que provavelmente quer ser e a imagem que os fãs que o acompanham há já seis anos lhe impõem, mesmo que inconscientemente. No entanto, se em muitas alturas foi notório que a voz que se ouvia já estava gravada, por outro, quando quis mostrou o que valia sem distrações ou aparatos. Por exemplo, após fazer a festa ao som de Boyfriend (do álbum Believe, de 2012), surgiu um sofá no centro do palco e munido somente de uma guitarra Bieber cantou em versões despidas de efeitos os temas Cold Water (original dos Major Lazer, que conta com a sua participação) e Love Yourself (um dos singles mais celebrados de Purpose). O mesmo aconteceu na reta final do concerto, com a balada Life is Worth Living, onde provou que se não cantou sempre durante todo o espetáculo, isso não se prende com falta de capacidades vocais.

A produção que trouxe até Lisboa é verdadeiramente grandiosa. Basta referir que só para o concerto de Portugal Bieber veio com uma equipa de 200 pessoas, 27 camiões TIR e 11 autocarros de digressão. Não faltam jogos de luzes imponentes, um trabalho intrincado em torno de ecrãs e vídeos espalhados pelo palco, lasers, plataformas que se elevavam, fogo-de-artifício e até um palco suspenso que não era mais um trampolim gigante no qual Bieber pôde dar azo às suas acrobacias, durante a canção Company, do último disco.

Aliás, Purpose foi interpretado praticamente na íntegra, não faltando inclusivamente The Feeling, No Sense e No Pressure, cujos convidados originais, Halsey, Travi$ Scott e Big Sean, surgiram nos ecrãs gigantes.

Ainda que por vezes transmitisse alguma distância emocional, essa foi interrompida em momentos como Children, durante a qual dançou com um grupo de crianças fãs da sua música e com quem partilhou momentos de afeição que no quadro geral servem, obviamente, para destacar uma emotividade que nem sempre era destacada.

No entanto, o público que encheu a MEO Arena estava conquistado à partida e seria muito difícil não sair da sala plenamente conquistado. O entusiasmo era tal que um fã, mesmo no final do espetáculo, ainda conseguiu subir ao palco, mas rapidamente foi travado pelos seguranças presentes.

A despedida fez-se ao som de Sorry, numa festa épica e que reforçou o potencial de estrela pop que Justin Bieber tem. Basta querer sê-lo.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...